A companhia aérea brasileira TAM anunciou que realizará no segundo semestre de 2010 um voo de demonstração, sem passageiros, com uma mistura de biocombustível de aviação à base de óleo de pinhão manso, uma biomassa vegetal brasileira.

Para chegar à essa mistura, a companhia adquiriu, por intermédio da Associação Brasileira dos Produtores de Pinhão Manso (ABPM), sementes de produtores de pinhão manso das regiões Norte, Sudeste e Centro-Oeste.

Após isso, o material foi transformado em óleo semirrefinado e processado em bioquerosene. No fim, foi feita a mistura com querosene convencional de aviação, na proporção de 50% cada.

De acordo com estudos realizados pela Michigan Technological University em conjunto com a UOP/Honeywell, biocombustíveis de aviação produzidos a partir de pinhão manso permitem uma redução de 65% a 80% na emissão de carbono em relação ao querosene de aviação derivado de petróleo.

O voo será a primeira experiência do gênero na América Latina e será alinhada com os órgãos reguladores do setor de aviação. A aeronave escolhida para a tarefa é um Airbus A320.