Um estudo realizado pelo governo da África do Sul e a embaixada da Noruega revela que até o final do evento, a Copa de 2010 irá emitir 2.753.251 toneladas de CO2 na atmosfera. Quantidade equivalente à liberada por um milhão de carros por ano.

Ainda segundo o estudo, 1.856.589 toneladas são causadas apenas pelas viagens de avião, já que na Copa de 2006, na Alemanha, outros transportes, como trens e até mesmo carros, também foram utilizados.

Outro fator determinante foi a construção de mais estádios especialmente para Copa, já que o país não possuía a infraestrutura necessária para a realização do evento.

O Soccer City, em Joanesburgo, foi construído para a Copa de 2010.

Além disso, 95,5% da energia do país provem de termoelétricas. A queima de carvão mineral (75,4%) e de óleo (20,1%) são responsáveis por grande parte da poluição. A geração de energia será aumentada durante o período em que a Copa é realizada, sendo responsável por 340,128 toneladas de emissão de CO2 no período.

As maiores medidas do governo sul africano foram a criação de uma linha de trem que facilitasse o acesso de turistas para os locais da Copa e a promessa de plantar árvores para compensar os danos ambientais.