A segunda-feira sem carne é um movimento criado na cidade de Ghent, na Bélgica. Ganhou a participação de chefs britânicos e é encabeçado principalmente pelo ex-Beatle Paul McCartney com a música Meat Free Monday. O lançamento oficial da campanha no Brasil foi em 2009, em São Paulo, com apoio da Sociedade Vegetariana Brasileira e de vários artistas, como Marisa Monte e Gilberto Gil.

Segundo dados da campanha Segunda Sem Carne, entre 1961 e 2007 a população mundial dobrou, o consumo de carne bovina quadruplicou e o de aves foi multiplicado por dez. Já para a ONU, os rebanhos de animais como bois, ovelhas e porcos são responsáveis por um quinto das emissões globais dos gases que provocam o efeito estufa. Rebanhos bovinos, por serem ruminantes, liberam também metano.

O movimento traz dois lados positivos: evitar comer carne um dia por semana faz bem para a saúde da pessoa e do planeta. Segundo a ONU, a produção de carne emite 18% de todo o CO2 produzido no mundo. A redução no consumo de carne pode amenizar esse ciclo consideravelmente.

Infográfico mostra o impacto ambiental de um quilo de carne. Fonte: Sociedade Vegetariana Brasileira.

A representante comercial Roberta Augusto Matheus, de 24 anos, parou de comer carne às segundas-feiras depois de ir no lançamento oficial da campanha.

“Por indicação de alguns amigos vegetarianos, eu fui ao lançamento da campanha em outubro no Ibirapuera, aqui em São Paulo. Gostei da campanha e acabei aderindo”, comenta.

Reduzir a quantidade de carne vermelha na alimentação também traz benefícios à saúde, principalmente a redução dos índices de gorduras saturadas e colesterol.

“Ao comer menos carne, acabo me sentindo menos inchada e mais saudável. Com certeza, percebi uma melhora nos meus hábitos alimentares”, ressalta Roberta sobre as melhorias de saúde que a mudança provocou.

Já a dona de casa e professora Nelma Vidigal, de Ananindeua, Pará, foi parando de comer carne aos poucos e hoje, cinco anos depois, já se considera vegetariana. Começou por motivos de saúde, tinha colesterol alto e trigliceridios. Hoje, se sente muito melhor.

A campanha é apoiada pela Sociedade Vegetariana Brasileira.

“Antes me sentia inchada, parecia que meu estômago vivia pesado. Melhorei 100%” , comenta.

O próximo passo é fazer com que os filhos, de 10 e 21 anos, diminuam a quantidade de carne que ingerem.

Outro argumento da campanha é a diversidade de alimentação que a nova dieta pode proporcionar, já que as pessoas podem procurar sabores novos para substituir as carnes da alimentação nas segundas-feiras.