No São Paulo Fashion Week primavera-verão 2011, a 29ª edição do evento, vários estilistas apresentaram produtos com cuidados ambientais. Alguns com a escolha do tecido, outros, com o uso de cooperativas como mão de obra.

A escolha por tecidos e modelo de produção sustentáveis já está presente em várias indústrias do país. A opção pode ser um fator determinante para o consumidor, que cada vez mais valoriza medidas sócio-ambientais.

A Iódice já tem histórico com a sustentabilidade em suas coleções. Fotos: divulgação SPFW/ Agência Fotosite

A Iódice continuou com a paixão pela sustentabilidade e criou uma coleção inspirada na Amazônia. A marca doará um real por peça vendida para ajudar famílias do Amazonas, além de contratar artesãos da região. O couro utilizado é sempre feito com base vegetal, nunca com produtos químicos. Já as mini-bolsas eram feitas de pele de pescado. A cortiça também apareceu, em acessórios e sapatos.

A Osklen se preocupa com a escolha dos materias, tanto do algodão como dos tingimentos. Fotos: divulgação SPFW/ Agência Fotosite

Já a Osklen se inspirou em mergulhos de águas profundas do Rio de Janeiro e do Caribe para compor a coleção. A sustentabilidade está na utilização de algodão orgânico para as malhas e com tingimento natural, desenvolvido por Eber Lopes Ferreira.

A confecção das peças da Movimento foi feita por mulheres de pescadores em uma colônia no Pernambuco. Foto: divulgação SPFW/ Agência Fotosite

A marca Movimento desenvolveu um projeto social chamado Pernambuco com Design, em que a estilista Tininha da Fonte ensinou durante seis meses mulheres de pescadores de uma colônia perto da praia de Boa Viagem a costurar biquínis e maiôs. Além disso, a matéria prima utilizada nas peças foi a pele de peixe, de pescados e tilápias da região e pescados muitas vezes pelos maridos das costureiras.

A Maria Bonita inovou com o material, o reaproveitamento de lascas de madeira de reflorestamento. Foto: divulgação SPFW/ Agência Fotosite

A Maria Bonita se inspirou no nordeste para reaproveitar lâminas de madeira de reflorestamento. Posicionadas como mosaicos em cima dos tecidos ou até trabalhadas com resinas, o material deu um formato diferente às peças. Outro material utilizado foi a palha, usada para fazer detalhes em croche em várias peças.

Todas as rendas e bordados do Roberto Fraga foram feitas por projetos de profissionalização de mulheres em três estados do país. Foto: divulgação SPFW/ Agência Fotosite

A coleção de Ronaldo Fraga utilizou mão de obra de artesãs de vários estados diferentes, incentivando novos ofícios para mulheres ajudarem na renda familiar. As rendas que acompanharam vários vestidos, blusas e saias foram feitas na Paraíba e os bordados foram feitos em Minas Gerais ou Pernambuco.

Alexandre Herchcovitch usa o tecido EcoSimple, produzido por um processo que reaproveita fibras de fábricas da indústria têxtil. Foto: divulgação SPFW/ Agência Fotosite

Por último, o estilista Alexandre Herchcovitch utilizou na passarela masculina o EcoSimple. O tecido é resultado de um processo que reutiliza resíduos de fábricas da indústria têxtil, separados por cores por famílais carentes de Blumenau. O material passa por um processo de desfibragem, em que se torna fibras, que serão fiadas e tecidas novamente. O processo é livre de produtos químicos.