Segundo pesquisas do Akatu, apenas 6% da população poderia ser considerada como consumidores conscientes, que fazem escolhas pensando na sustentabilidade dos produtos antes de comprar. Já 37% são conhecidos como comprometidos, que tentam ao máximo ter cuidados ambientais, mas tem restrições, como preço ou acessibilidade.

Super Cool Market propõe a troca e reutilização de roupas. Foto: Kelly Fuzaro

Porém, a tendência é que esse número aumente cada vez mais. Tanto empresas como consumidores aumentam suas preocupações ambientais.

Segundo dados da Delloite (empresa de consultoria e auditoria), 76% das empresas do país se preocupam com a racionalização dos recursos naturais e 69% tem programas de gerenciamento de resíduos.

Um exemplo é a loja Super Cool Market, que traz um novo conceito de consumo: lá, além de comprar roupas normalmente, você pode vender suas roupas ou trocá-las por roupas da loja.

A diferença entre essa loja e um brechó convencional é o cuidado com a qualidade e o estilo das peças. Assim, a loja mantém a qualidade das peças e das marcas, mas com preços menores.

Vestido da loja EcoChoice, que utiliza fibras de bambu no tecido. Foto: Divulgação

Esse sistema evita o desperdício, pois aumenta o tempo de vida útil de cada peça. Além disso, as peças que não são vendidas são doadas para instituições de caridade.

A loja física é em São Paulo (Rua Purpurina, 219, Vila Madalena), mas a loja também faz vendas online.

Já a EcoChoice é uma loja virtual que disponibiliza apenas produtos sustentáveis. Desde bolsas, roupas e sapatos até produtos de higiene, todos tem cuidado com o ambiente e com o funcionário quando são produzidos.

Peças de roupas, feitas com tecidos de fibra de bambu, são exemplo de cuidado com a escolha do material e durante o processo de produção.