Os veículos motorizados são uma dos principais problemas ambientais dentro das grandes cidades. No Rio de Janeiro e em Curitiba o número de carros ultrapassa a casa de um milhão de unidades e em São Paulo a frota é de pouco mais de seis milhões de veículos.

Segundo dados do último Relatório de Qualidade do Ar do Estado São Paulo, foram lançados na atmosfera mais de 1,5 milhão de toneladas de monóxido de carbono, 386 mil toneladas de partículas de hidrocarbonetos e 367 mil toneladas de óxidos de nitrogênio, entre outros poluentes e os carros foram os principais emissores, sendo responsáveis pela emissão de 54,62% desse total.

Uma saída para diminuir os impactos causados pelos automóveis é o uso do transporte coletivo. Tanto ônibus como metrôs podem ajudar a reduzir os índices de emissão de poluentes.

Se 90 pessoas, que é a capacidade máxima de um ônibus convencional, optassem por utilizar um meio de transporte coletivo cerca de 130 kg de gás carbônico não iriam para a atmosfera. Isso em um percurso curto, de 2 km, em caso de um deslocamento maior, chegando a 10 km, esse número pode ultrapassar 630 kg.

A estudante de jornalismo, Karina Trevizan Penin é paulista e utiliza metrô e ônibus desde pequena. Agora, com 21 anos, tem carro, mas prefere o uso do transporte público.

“Vale metrô, ônibus e até carro, desde que tenha muita gente nele. As pessoas terem o costume de se transportar de carro, tudo bem. Mas por que não usam toda capacidade do veículo? Cabem 5, mas a maioria vai sozinha. Mais carros, mais poluição, mais congestionamento. O mesmo número de pessoas poderia se deslocar com menos carros”, explica.

Karina não é contra o uso do carro. Ela tem e o utiliza de forma consciente.

Utilização do metrô pode poupar a atmosfera de receber cerca de 2 toneladas de CO2

“Eu possuo carro, mas uso no fim de semana, quando não tem tanto acúmulo de carro na rua. Não acho que não se possa usar carro. Às vezes, é necessário, claro. Quando é preciso carregar um equipamento ou qualquer outra coisa mais pesada. Ou quando se sabe que a volta vai ser depois do horário de o metrô fechar. Não precisa abolir o carro, é só ter bom senso”, conta a estudante.

Carolina Pires, 26, mora em São Paulo e presenciando o caos que vive o trânsito local aponta outro fator a favor do transporte coletivo.

“Utilizo mais o trem. Acho um transporte mais rápido, posso ler durante o caminho e até tirar uma soneca, dependendo da distância. Os ônibus também, pois tem corredor especial e não pegam tanto trânsito. Fora que de carro você gasta mais com combustível, contribui com o trânsito e poluí o ambiente”, conta.

Carolina também tem carro, mas conta que além de não utilizá-lo para ir para o trabalho durante a semana, usa sua bicicleta para realizar pequenos percursos.

“Tento fazer coisas pelo bairro, como ir ao mercado, sacolão, padaria – coisas que pessoas quando compram o carro só fazem dirigindo”, diz.