A arquiteta Karla Cunha faz projetos sustentáveis, como telhados e muros verdes.

Karla Cunha é uma arquiteta que alia os conceitos de sustentabilidade nos seus projetos. Hoje, o foco da sua carreira são os telhados e muros verdes. Na entrevista, ela fala sobre como aliar a arquitetura com a sustentabilidade.

Atitude Sustentável: Como você alia arquitetura com sustentabilidade?

Karla Cunha: Acredito que o trabalho do arquiteto tem que ir muito além da especificação dos materiais ecologicamente corretos em um projeto. Temos um compromisso muito maior com o fator humano e que muitas vezes passa despercebido nessa onda onde todos querem ser sustentáveis a qualquer custo. Eu me apoio em princípios e valores muito sólidos de conduta profissional, que acredio estarem mais próximos ao conceito da sustentabilidade do que tem sido passado ultimamente às pessoas. E, definitivamente, os requisitos desse conceito têm que estar em primeiro lugar, pois para um empreendimento ser considerado sustentável, ele deve ser: ambientalmente correto, economicamente viável, culturalmente aceito e socialmente justo.

AS: Quando a sustentabilidade entrou na sua carreira?

KC: Em 2008 eu comecei a escrever, sem qualquer compromisso, em um blog sobre arquitetura, sustentabilidade e artes plásticas. O retorno foi tão bacana que eu passei a me sentir responsável pelo conteúdo do que postava e passei então a buscar a informação com cada vez mais qualidade.

AS: Como é o relacionamento entre a sustentabilidade e seus clientes?

KC: Ainda vejo muita desinformação. De um modo geral, as pessoas me procuram para entender como essa “coisa de sustentabilidade” funciona e só depois percebem que é tudo bem mais simples do que parecia. Os clientes que procuram um trabalho diferenciado são mais esclarecidos e já sabem o que querem, mas eu adoro poder mostrar como é possível inovar com ideias simples.

AS: Como foi o processo para aliar a sustentabilidade com o seu trabalho? Fez cursos, projetos, como aconteceu?

KC: Manter-se atualizado com o que está acontecendo no mundo é fundamental, e por isso eu nunca paro de estudar. A internet é a principal ferramenta, pois a velocidade em que as mudanças acontecem nessa área é impressionante! Fiz cursos voltados ao tema na ANAB – Associação Nacional de Arquitetura Bioecológica, e em 2009 comecei o MBA de Gestão e Tecnologias Ambientais, na USP. Também marco presença em feiras e eventos, pois sempre são uma grande oportunidade de conhecer novas tecnologias e fazer contatos.

AS: Já tinha a intenção de trabalhar com sustentabilidade quando começou a estudar?

KC: Quando comecei o curso de arquitetura, em 1998, ainda não se falava no assunto, mas muitas disciplinas sempre estiveram intimamente ligadas ao tema, pois a arquitetura tem essa responsabilidade com o bem estar humano, e por isso não pode ser vista de outra forma. Um bom projeto arquitetônico já deve ser sustentável desde a sua concepção.

O último trabalho realizado pela arquiteta foi esse banheiro verde. O revestimento é feito com galhos de macieira em comunidades de Palma, Paraná. Foto: André Nogueira.

AS: O que indica para estudantes e profissionais da área que queiram começas a trabalhar com sustentabilidade também?

KC: Não se deixem guiar por modismos e pela “maquiagem sustentável”. Esse conceito é muito mais rico do que aparenta e não deve cair na vulgaridade. A sustentabilidade é calçada em valores éticos muito fortes e que têm que ser levados em conta acima de qualquer coisa. Sem o cumprimento desses princípios o conceito fica inconsistente e tende a se perder por entre todas as baboseiras que vemos por aí.

AS: Quais são as dificuldades que encontra para aliar arquitetura e sustentabilidade?

KC: Informação. A maioria das pessoas entendem que uma reforma sustentável, por exemplo, implica necessariamente em um investimento financeiro muito maior, o que nem sempre é verdade. Mas para ter essas mudanças em casa ou no ambiente de trabalho, os usuários precisam entender o que elas significam de verdade, pois só assim conseguem “comprar” e viver o conceito.

Mais informaçes no site da Karla Cunha.