A tecnologia tem trabalhado muito para auxiliar a preservação do meio ambiente, seja através de gadgets verdes, de novas formas de energia ou por meio do desenvolvimento de produtos sustentáveis

Uma das novas invenções que vem ganhando o mercado é o e-book. Com o avanço da internet, a veiculação de obras literárias, como livros, revistas e até mesmo jornais, tem se adaptado a essa nova tendência.

Com a memória cheia o produto da Amazon pode poupar 60 árvores (Foto: Divulgação)

A Amazon, empresa de comércio de eletrônicos dos Estados Unidos, lançou no começo de 2009 seu leitor de e-books, o Kindle. Hoje, na sua loja, a venda de livros eletrônicos já ultrapassa a de livros convencionais.

Seria essa uma saída ecológica? Muito provavelmente sim. Um best-seller que tenha uma tiragem de dois milhões de cópias seria responsável pelo corte de 160 mil árvores adultas.

Aproximadamente 1 milhão de novos títulos são lançados todo ano no mundo, então imagine a quantidade de matéria-prima empregada para que esses livros cheguem às lojas.

E não são só livros que estão disponíveis em versão digital. Revistas como a Time e importantes jornais como o The New York Times e o Le Monde são atualizados diretamente no e-reader.

O Kindle possui uma memória interna de 1 Gb e, segundo seus produtores, pode armazernar até mil e-books. As compras de novas edições são feitas online, pelo próprio aparelho ou por um computador.

Ou seja, além de poupar árvores, os e-readers ainda possibilitam uma compra verde de novos livros. Mesmo assim, por se tratarem de aparelhos eletrônicos, necessitam de energia elétrica para funcionar.

A LG criou um protótipo que pretende acabar com a necessidade dos e-readers de utilizar energia elétrica, o Solar Cell. Ele funciona como uma capa para os aparelhos. Uma exposição de quatro a cinco horas pode garantir mais um dia de carga ao seu leitor de e-books.

Mesmo sem esse protótipo no mercado, o Kindle consome o mínimo de energia possível. Sua tela é composta da chamada tinta eletrônica, uma tecnologia que faz com que seu display fique parecendo uma folha de papel devido ao seu alto contraste. Também por isso a tela não necessita de iluminação própria, o que gera um gasto muito pequeno de energia.

Não é apenas a Amazon que tem seu e-reader, existem vários outras marcas que possuem leitores de e-books. Aqui no Brasil está para ser lançado o primeiro leitor digital 100% nacional, o Mix Leitor D, o que pode representar uma maior divulgação dos e-books por aqui.

A Editora Plus faz um trabalho muito interessante. Eles publicam apenas e-books e disponibilizam gratuitamente para download. Em seu site existem dicas para escolher seu e-reader e também onde comprar livros digitais.