Depois de festas, principalmente as infantis, balões estourados são jogados fora. É um desperdício de 95% de borracha pura.

Os balões de látex são feitos de seiva de seringueira e se decompõem ao entrarem em contato com elementos da natureza. A primeira etapa, de oxidação, pode ser vista quando as bexigas estão cheias e apresentam um aspecto aveludado ao redor.

Luiz Carlos da Costa Silva, da E-Balões, empresa que presta assessoria e treinamentos para o setor de decoração com balões, relata que é difícil determinar o tempo exato que os produtos demoram para se decompor.

“Segundo pesquisas realizadas em diversas partes do mundo, não é possível estabelecer com precisão o tempo necessário para a degradação total dos balões de látex, mas os resultados indicam que a decomposição pode levar o mesmo período de uma folha de carvalho, algo em torno de seis meses”, comenta.

Mesmo sendo de rápida absorção da natureza, a reciclagem é importante para renovar o ciclo do produto na natureza e diminuir o uso de recursos naturais pela indústria.

Para isso, o Laboratório de Produtos Florestais do Ibama criou uma tecnologia para reciclar os balões, que são prensados até formar uma espécie de manta.

Na próxima etapa, junta-se serragem de madeira, outro produto reciclado, e alguns componentes químicos para garantir a resistência do material.

As placas são resistentes e podem ser usadas por diversos segmentos da indústria. Desde pisos até peças de design.