A Dinamarca é um dos países que mais utilizam fontes limpas de energia. Do total, 20% é gerada a partir de energia eólica e o ritmo segue crescendo.

Com isso, o excesso de energia pode se perder, pois faltam opções para armazenar o que foi produzido. Mas a empresa Gottlieb Paludan está disposta a mudar esse cenário.

Ilha em Copenhague também prevê uso de energia solar (Foto: Divulgação)

Ilha em Copenhague também prevê uso de energia solar (Divulgação)

A ideia é construir ilhas que tenham como principal função o armazenamento da energia proveniente de fontes renováveis. As chamadas Green Power Island utilizariam água do mar bombeada para dentro de um reservatório construída nas ilhas artificiais.

Quando a demanda for baixa, as bombas esvaziam o reservatório. Em períodos de pico, a água volta ao reservatório, agora passando por turbinas para gerar a eletricidade.

O projeto prevê a construção de duas ilhas, uma na capital Copenhague e outra em Kattegat.

Em Kattegat, a ilha teria capacidade de armazenar 31,35 milhões de metros cúbicos de água, com potencial para gerar 2,75GWh de energia.

Já em Copenhague, a ilha também contaria com produção de biomassa, energia solar e plantações para gerar biocombustível. A capacidade de armazenamento chega a 22 milhões de metros cúbicos de água, podendo gerar 2,3GWh de energia.

Na capital dinamarquesa, está previsto ainda o aproveitamento do espaço para atividades de lazer, como passeios de bicicleta, caminhada, corrida e parque aquático.

Resta saber se o projeto sairá do papel.

Ilustração mostra reservatório na ilha de Kattegat (Divulgação)

Ilustração mostra reservatório na ilha de Kattegat (Divulgação)