As plantas nativas podem ajudar na sustentabilidade de cada jardim. Isso ocorre principalmente por precisarem de menos nutrientes ou irrigação, já que estão adequadas às características específicas daquele clima.

Diacuy de Mesquita Fialho Crema, paisagista, comenta que o paisagismo não se restringe somente ao jardim, mas todas as regiões de céu aberto de uma casa ou edifício, sendo elementos naturais ou culturais.

“O paisagismo interage com todos estes elementos e busca soluções técnicas e uso de materiais que incrementem a sustentabilidade do projeto”, comenta Diacuy.

Paisagismo em condomínios.

Projeto da Diacuy em condomínio. (Foto: Divulgação)

Além disso, usar essas plantas tem outros benefícios, como sentimento de reconhecimento das pessoas com o local ou mesmo a perpetuação de espécies. E, em ambientes naturais, essas plantas já fazem parte de um ciclo – já que muitos animais se alimentam de determinadas frutas – e devem ser mantidas.

Para um projeto de paisagismo, características como onde está localizado, a topografia do terreno e a qualidade do solo são fatores determinantes de quais serão as plantas mais adequadas para aquela região. A quantidade de horas que o local fica exposto ao sol, por exemplo, deve ser adequada para o tipo de vegetação escolhida.

Uma maneira de adequar jardins que já estão prontos é utilizar os momentos de manutenção, como trocar as plantas que morreram pelas plantas da região.

Segundo Diacuy, como o Brasil é um país muito diversificado, é difícil definir genericamente qual a vegetação para cada região – o ideal é pesquisar essa informação para casa cidade.