Com o certificado Etiqueta Nacional de Conservação de Energia, o setor imobiliário se volta para o interesse dos consumidores pela sustentabilidade. Lançado pela Eletrobrás e Inmetro ( Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), ele é similar à certificação aplicada aos eletrodomésticos brasileiros.

Apesar de não ser obrigatório, está nos parâmetros do PBE (Programa Brasileiro de Etiquetagem), prevendo a redução de cerca de 40% na conta de luz em um mês. Funciona pela classificação que vai de “A” a “E”, envolvendo os níveis de energia que incluem desempenho térmico, iluminação, sistema de aquecimento de água e ventilação natural. Se for o caso de edifícios, cada residência terá uma etiqueta individual e o prédio receberá como um todo, bem como as áreas de uso comum.

No Brasil, segundo a Eletrobrás, 45% do consumo nacional de energia elétrica corresponde às edificações e desse número 22% de residências. Tanto na redução do consumo quanto no planejamento, a procura por imóveis que tenham a etiqueta tende a ser grande. Para obter o certificado, o único órgão credenciado até o momento é o LabEEE (Laboratório de Eficiência Energética da Universidade Federal de Santa Catarina), atendendo pessoas físicas ou jurídicas de todo o país.

Dicas para sua casa consumir menos energia
- Use a luz natural o máximo possível, abra mão do hábito de deixar lâmpadas acesas desnecessariamente
- Instale abajures ou luminárias nos pontos da casa que você mais utiliza, assim não é necessário acender as lâmpadas de um cômodo inteiro
- Sensores de presença são uma boa opção de economia para iluminação que só deve ser ativada em momentos específicos
- Interruptores em pontos estratégicos, como ao lado da cama, evitam deixar as luzes dos cômodos acesas por esquecimento ou preguiça
- Evite o aquecimento da casa pela cobertura pintando-a de branco. Absorve menos calor e deixa os ambientes mais frescos.