Cada vez mais, livros tradicionais devem ser trocados por livros eletrônicos. A Barnes & Noble, maior rede de livrarias dos EUA, divulgou que as vendas de livros digitais através do site ultrapassaram as de livros de papel pela loja online. Foram 1 milhão de downloads de e-books através do Nook, leitor eletrônico da própria empresa, apenas no dia do Natal. Para o meio ambiente, a principal vantagem é evitar o uso de papel (e, consequentemente o corte de árvores) e a ausência da impressão. Além disso, não existe mais o material acumulado depois do uso.

A editora Label 1 é um exemplo do empreendedorismo brasileiro nesse setor. Apesar do mercado ainda ser recente no país, deve crescer cada vez mais, principalmente com o barateamento dos equipamentos.

Para a equipe da editora, a maior dificuldade desse produto no Brasil ainda é o preço elevado dos readers. Outro problema seria o analfabetismo digital, ou a falta de familiaridade com a plataforma. A Label 1 já está buscando ações para reverter esse quadro.

Existe também um trabalho realizado para que o conteúdo seja acessível em várias plataformas, como Apple device, Kindle, Android e outros.

Já a pergunta sobre qual dos modelos é mais sustentável, depende principalmente de quanto cada pessoa lê. O custo ambiental unitário de um livro de papel ainda é menor que o custo de um leitor digital, que pode valer a pena para pessoas que o usariam com mais frequencia. Ainda assim, os custos de um livro digital são menores, e podem ser mais acessíveis à população (mas apenas se essa tiver acesso também aos aparelhos de leitores digitais).

Para ver mais informações e livros disponíveis na Label 1, visite o site da empresa.