O Projeto Libélula quer resgatar a dignidade de mulheres carentes trabalhando com moda e sustentabilidade. Criado pela estilista Cecília Echenique, o projeto beneficia 30 mulheres, entre 25 e 60 anos de idade.

Cecília com artesãs. (Foto: Divulgação)

Modelo de libélula. Eles são feitos com retalhos diferentes, doados por várias marcas. (Foto: Divulgação)

“O principal objetivo desta iniciativa é tirar as mulheres necessitadas, que sofrem de violência doméstica e/ou que se prostituem, desta condição, dando a elas o sentido do pertencimento a uma organização da qual elas se sentem parte e fazendo com que elas resgatem assim a sua feminilidade e dignidade”, comenta Cecília.

Com retalhos doados pelas empresas Santa Constância, Poko Pano, Thorré e da própria Cecília, que antes seriam descartados, as artesãs fazem peças ecologicamente responsáveis e geram renda para suas famílias.

O produto feito por elas é uma espécie de vestido que se molda ao corpo de cada mulher, criado pela própria Cecília e chamado libélula. Assim como as roupas, as embalagens e etiquetas utilizadas – que levam o nome da artesã responsável – são totalmente desenvolvidas com materiais reciclados, e a renda obtida é dividida entre todos os membros da equipe de produção.

Cecíla (na esquerda) mostra os produtos do projeto no coquetel de lançamento. (Foto: Divulgação)

Em todas as etapas de produção, é feita a capacitação e o acompanhamento psicológico das novas profissionais. Além disso, elas aprendem sobre o meio ambiente, o controle de qualidade das peças e como fazer o financiamento monetário.

O Projeto Libélula foi desenvolvido de acordo com a Lei do Comércio Justo, trazido para o Brasil pela ONG Visão Mundial. Atualmente, ele é realizado em Pouso Alegre, MG, com o apoio da prefeitura de cidade, mas a intenção é expandi-lo a todos os estados brasileiros.

Onde encontrar as peças do Projeto Libélula:

Cecília Echenique – ceciliaechenique.com.br
Poko Pano – pokopano.com.br
Santa Constância – santaconstancia.lecom.com.br
Thorrè