O ArtScience é construído no Resort Marina Bay Sands, em Cingapura, e deverá abrigar 21 galerias de arte em 4.800 metros quadrados. Feito pelo arquiteto Moshie Safadie, conhecido por trabalhar com design verde, o museu é divulgado como o primeiro museu sustentável do mundo.

Museu não é só um atrativo para turistas: quer ensinar a sustentabilidade para a população.

Com a forma de flor de lótus, o teto é capaz de coletar água da chuva e luz solar para o uso interno da instalação. A água é filtrada e utilizada nos sanitários. A iniciativa, além de atrair turistas, quer mostrar para a população um modelo de crescimento sustentável.

Porém, outros museus sustentáveis já foram construídos. É o caso do California Academy of Science, reinaugurado em setembro de 2008, com sistemas para uso racional da água, como captação da água da chuva, iluminação e ventilação naturais. Além disso, as paredes foram construídas com materiais reutilizados e o telhado tem cerca de 1,7 milhão de mudas de plantas, além de janelas para entrada de luz natural.

Telhado verde do California Academy of Science tem 1,7 milhão de mudas.

Outro projeto é chinês. O escritório MAD Arquitetura quer fazer um museu que “flutua”, com uma estrutura totalmente sustentável na cidade de Xiamen, na China. O conceito quer aproveitar o clima característico da região, quente e ensolarado, utilizando painéis solares para produção de energia elétrica.

O museu inspirado em nuvem ainda não tem nome.

Além disso, a construção vai ter pouco impacto na paisagem do local. Construído em uma espécie de parque natural, ele é sustentado por cinco extensões semelhantes a caules, permitindo que os moradores da cidade possam desfrutar da paisagem natural nos espaços livres das estruturas.

Já o Museu Dali, na Flórida (EUA), foi reformado em 2008 para o tornar mais sustentável e seguro para as obras de arte. Várias estratégias de sustentabilidade reduzem o consumo e os gastos com água e energia, como o uso de energia solar e a reutilização da água condensada do sistema de desumidificação do ar.

Museu Dali reutiliza a água da desumidificação do ar (processo necessário para conservação das obras).