Uma nova solução no setor de embalagens está sendo estudada por pesquisadores da Universidade Estadual do Amazonas. A proposta é produzir embalagens biodegradáveis a partir da água de rios, onde se encontram micro-organismos capazes de produzir biopolímeros.

As bactérias existentes nos rios da bacia hidrográfica da Amazônia estão sendo pesquisadas há um ano e meio, fazendo parte do projeto “Potencial de Bactérias dos Rios Negro, Solimões e Madeira na Produção de Biopolímeros”.

A qualidade não se difere das embalagens de plástico existentes no mercado, apesar das biodegradáveis poderem chegar a um custo 40% superior. Mas na relação custo benefício ainda são a melhor opção, já que as embalagens produzidas através de derivados do petróleo podem levar de 200 até 800 anos para se decompor. Enquanto isso, as biodegradáveis podem levar até seis meses se o processo de descarte for feito de maneira correta.