O livro “Hortas na Educação Ambiental”, lançado em São Paulo dia 06, é dirigido para educadores, atuando como uma espécie de guia de atividades infantis. As propostas são baseadas no programa Hortas Escolares, ministrado pela AIPA (Associação Ituana de Proteção Ambiental). O objetivo é promover o contato das crianças com a terra, incentivando uma experiência educacional diferente para as crianças.

O material foi feito pela Editora Peirópolis, que já editou livros como “Árvores do Brasil – cada poema em seu galho” e a coleção “Cuidar Bem”, que reúne atividades infantis que exploram os elementos da natureza.

Confira a entrevista com Silvia Czapski e Maria Célia Bombana, autoras do livro, com apoio de Marcelo Mattiuci, consultor técnico do material.

Atitude Sustentável: Como as hortas podem ajudar no processo educativo?
Autoras: Andreas Flitner, um pedagogo alemão, tem uma expressão que resume o sentido das hortas orgânicas – “aprender fazendo”. Cada momento da horta ajuda fixar noções com mais eficiência de que o aprendizado teórico sozinho. O melhor é que isso se dá na escola de forma interdisciplinar, multidisciplinar e transdisciplinar, como propõe a Política Nacional de Educação Ambiental, mas também pode acontecer naturalmente, em casa ou na comunidade. Por exemplo, quando a lagarta aparece nas folhas de rúculas. Vamos pegar algumas para criar? A observação da transformação em casulo e borboleta, é uma aula prática de ciências. Depois de solta-la, numa cerimônia, desenhar e dramatizar o ocorrido é aula de arte, teatro, criatividade, de respeito pela vida que a horta pode proporcionar. Detalhamos esta proposta (e muitas outras) no livro “Hortas na Educação Ambiental”.

Capa do livro "Hortas na Educação Ambiental". Para autoras, a sustentabilidade deve ser inserida de maneira interdisciplinar nas escolas.

AS: Como é o processo de treinamento/ adaptação dos professores à essa atividade?
Autoras: O início é rápido e fácil. Mas é importante prestar atenção em cada passo, para criar seu próprio caminho. Em Itu, na Associação Ituana de Proteção Ambiental (AIPA), fazíamos cursos práticos de um dia, o suficiente para o aprendizado básico de como implantar e manter a horta. Depois, a equipe de educação ambiental visitava as escolas semanalmente, resolvendo dúvidas, dando orientações e sugestões de atividades para desenvolver com as crianças na horta e na sala de aula. Era o “aprender fazendo”. Sempre estimulávamos a troca de informações entre escolas e com a comunidade, pois assim, um também aprende com os erros e acertos do outro. Quando o programa completou 5 anos, as melhores experiências, até então, foram reunidas numa apostila só para as instituições participantes. Depois, para apoiar o curso, fizemos outra apostila sobre a implantação e cuidados numa horta orgânica, com participação das crianças. Descobrimos que ela funcionava inclusive sem o curso. Foi isso que nos inspirou para o livro, que dá esse passo a passo, e muitas sugestões de atividades para cada momento da horta e fase etária das crianças.

AS: De que outras maneiras a sustentabilidade pode ser inserida na educação?
Autoras: No dia a dia, em todas as atividades, a sustentabilidade deve estar presente. Exemplos?
* Usar restos de alimentos para produzir compostos orgânicos,
* Promover uma visita a um lixão, para discutir o destino das coisas e depois discutir e vivenciar os “5 R” – repensar (hábitos e atitudes), reduzir (a geração e o descarte), reutilizar (aumentar a vida útil), reciclar (transformar num novo item), recusar (produtos agressivos à saúde e ao ambiente).
* Promover mutirões para examinar como as pessoas usam a energia elétrica (luz acesa, ninguém no espaço? Não Obrigado!), para recolher lixos da rua (sem esquecer de luvas e de dar destino adequado posteriormente).
Na escola, utilizar cada aprendizado – inclusive teórico – para debater de que modo a aplicação do que se aprendeu pode contribuir para um mundo melhor. São inúmeras as possibilidades, desde que tenhamos o foco nesta atitude.

AS: Que conceitos principais da sustentabilidade e da ecologia pretendem passar com o uso das hortas?
Autoras: Ecologia é uma ciência que nos ajuda a entender a interrelação entre os seres vivos e destes com o ambiente onde vivem. Mais que um conjunto de conceitos, sustentabilidade representa um modo de viver e atuar com consciência de que os recursos são finitos, mas que sabendo usar não vai faltar para nossa e as próximas gerações. A horta ajuda em tudo isso, de um jeito muito gostoso. Ao realizar a rega, do modo certo, aprendemos a utilizar a água sem desperdício, e sua importância para a manutenção da vida. Com a compostagem dos restos de plantas e alimentos, vemos, na prática, o que é reciclagem e aprendemos sobre o ciclo de vida de um produto. A partir do aprendizado, dá para ampliar a ação, com separação dos resíduos, inclusive nas casas, junto à comunidade. Evitando agrotóxicos, demonstramos uma alternativa saudável e mais barata para termos a boa comida em nossas mesas. E o melhor de tudo é que dá para trabalhar todas as disciplinas escolares, em cada momento da horta. Por exemplo, para uma criancinha, contar o número de sementes que irá colocar na terra pode reforçar o aprendizado de uma operação aritmética.