O projeto Gastronomia Responsável, da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, é uma iniciativa que mostra como as ações de cada um podem tomar proporções maiores, principalmente quando somadas. Ao mudar alguns hábitos de alimentação, é possível melhorar a saúde da sua família e preservar o meio ambiente.

Para atingir um maior número de pessoas, o projeto tem áreas de ação diferentes. Foram feitas parcerias com restaurantes e com cursos de gastronomia, além de um livro virtual de receitas responsáveis.

Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário. (Foto: José D'Ambrósio).

Segundo Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário, a maneira para que a sustentabilidade e a responsabilidade ambiental sejam inseridas no dia-a-dia das pessoas de uma maneira natural é “simplificando e traduzindo como as pessoas podem ter uma ação menos impactante no meio ambiente. É justamente essa a ideia da Fundação com o programa Gastronomia Responsável. Independente da profissão ou classe das pessoas, todos se alimentam todos os dias. Assim, essa seria uma maneira de inserir a responsabilidade ambiental”.

Para serem responsáveis, as receitas devem seguir os quatro princípios do movimento:

  • Uso de ingredientes orgânicos: esse tipo de produção é ambientalmente correta e faz o uso sustentável dos recursos naturais, sem fazer o uso de insumos químicos, fertilizantes e pesticidas.
  • Produtos regionais e sazonais: alimentos produzidos próximos aos locais de consumo não precisam ser transportados por longa distância, evitando a emissão de gases do efeito estufa e a perda de alimentos que podem estragar no percurso. Já a sazonalidade evita o uso de outras técnicas para o desenvolvimento da planta.
  • Não utilizar espécies ameaçadas ou quase ameaçadas de extinção: essas espécies são as que correm risco de desaparecimento da natureza em um futuro próximo. É o caso do palmito extraído do palmiteiro-juçara e a castanha da castanheira-do-Brasil. É possível ver uma lista completa das espécies nas listas feitas pelo Ministério do Meio Ambiente para fauna e flora.
  • Mesa do Quintana, com gastronomia responsável e sustentável diariamente.

    Aproveitar integralmente alimentos: utilizar em receitas partes normalmente não usadas, como cascas, talos, folhas, sementes e outros. Quando mais partes forem utilizadas, menor será o desperdício de alimentos. Além disso, essas partes são tão nutritivas quanto as partes normalmente utilizadas.

Restaurantes responsáveis

Com a curadoria do chef Celso Freire, treze restaurantes de Curitiba foram selecionados para fazer parte do programa Gastronomia Responsável. Os respectivos chefes elaboraram pratos que seguem os princípios propostos pelo projeto em receitas elaboradas, vendidos para os clientes por até R$ 30.

Para participar do projeto, a dinâmica da cozinha do restaurante sofre uma alteração. Além da busca pelos ingredientes que sigam os quatro princípios, os chefs devem alterar a maneira de preparar os alimentos. “Mudam os cuidados para ter o aproveitamento integral dos alimentos. Antes, quando eu via, tínhamos muito lixo no fim do dia, principalmente restos de alimentos, como cascas, talhos, folhas, que podem ser usados para aperitivos, caldos ou acompanhamentos de outros alimentos”, explica Gabriela Carvalho, chef do Quintana.

Gabriela Carvalho, chef do Quintana.

Para a chef, as pessoas começam a se interessar mais por uma alimentação mais saudável e responsável quando percebem a diferença em seus organismos e se conscientizam sobre a mudança que geram no meio ambiente. “É uma mudança comportamental que as pessoas estão iniciando e só acontece com consciência. Conheço pessoas que agora sentem falta de ter outras opções de alimentação mais saudável”, explica Gabriela.

Parcerias com escolas de gastronomia

Para incentivar a consciência ambiental nos futuros chefes de cozinha, a Fundação Grupo Boticário formalizou uma parceria com quatro instituições de Curitiba que ofertam cursos de Gastronomia (Centro Europeu, Espaço Gourmet Escola de Gastronomia, Senac PR e Universidade Positivo). Na parceria, os alunos foram dessas escolas foram incentivados a elaborar receitas com os quatro princípios do movimento, que são cadastradas no site do Gastronomia Responsável, formando o livro de receitas virtual.

Já o curso de tecnologia em gastronomia da Universidade Positivo incluiu a proposta do movimento no programa da disciplina de nutrição e dietética, em aulas práticas e teóricas, que associavam os princípios de conservação da natureza ao princípio básico do Slow Food, movimento criado em 1986 que preconiza o prazer da alimentação e o respeito ao meio ambiente e aos produtores. Como avaliação final, os alunos tiveram como tarefa a criação de pratos que seguissem os princípios do Gastronomia Responsável.

Participe

Para participar, basta entrar no site do projeto e consultar as receitas cadastradas. Além disso, você mesmo pode mandar uma receita que siga um dos princípios.
Por enquanto, a parceria do projeto com os restaurantes acontece somente em Curitiba, apesar de existirem projetos de expansão. Para ver os restaurantes participantes, acesse o site.