A AmBev e a WWF inauguraram hoje o viveiro de mudas nativas que alimentará a região do Córrego Crispim, no Distrito Federal. A ação faz parte do Projeto Bacias, do movimento Cyan, criado pela AmBev para mostrar a importância da água para o meio ambiente.

Viveiro terá mudas nativas da bacia do Córrego Crispim (Foto: Gisele Eberspacher).

Um dos aspectos do projeto é unir as ações da WWF e da AmBev com os próprios moradores da região do Crispim, para fazer com que a qualidade da mata ciliar seja mantida por mais tempo.

Por isso, foi realizada uma pesquisa na área urbana e rural do local, para identificar as características da população com o córrego. E para manter a população perto do programa, foram distribuídos kits de monitoramento, para que moradores voluntários possam examinar a qualidade da água e perceber as mudanças ocorridas.

Outro aspecto importante é o acompanhamento que será feito da região, para garantir que o local continue preservado. “Acompanhamos durante uns três anos, para ver se as mudas se desenvolvem corretamente”, explica Sérgio Ribeiro, um dos gestores da WWF. Ainda assim, a intenção é que a população seja capaz de preservar a área sozinha.

“Essa iniciativa é uma extensão daquilo que já fazemos dentro das nossas unidades. Queremos dividir os nossos valores e a preocupação da companhia com o meio ambiente”, explica Tattiana Lupion Torres, gerente regional de Meio Ambiente da Ambev.

Esse foi o projeto piloto do Bacias, que pode ser ampliado para outras bacias que também forneçam recursos hídricos para as fábricas da AmBev.

Para mais informações, visite o site no movimento Cyan.