O comércio justo está se inserindo no mercado como uma opção para quem procura produtos que tenham o conceito sustentável na sua produção. O processo de certificação obedece vários critérios de abrangência social, econômica e ambiental, mas ainda não são conhecidos pelos consumidores.

Na sustentabilidade, assegura-se que as relações comerciais entre produtores e compradores se estabeleçam no preço justo enquanto também preservam o meio ambiente, o respeito social entre homens e mulheres, boas condições de trabalho e a não aprovação do trabalho infantil.

Para Ana Asti, presidente da Organização Mundial de Comércio Justo na América Latina, as empresas devem certificar sua cadeia produtiva como comércio justo, que também possibilita a lucratividade. “Grandes empresas já entraram nesse nicho, a ideia é de que todos na cadeia produtiva ganhem, na lógica do ganha-ganha”, conta Ana.

A Organização Mundial de Comércio Justo traz dez princípio para as empresas seguirem no dia-a-dia de trabalho na adoção do comércio justo:

1. Criar oportunidades para produtores economicamente em desvantagem
2. Transparência nas relações comerciais
3. Práticas comerciais que visam o bem estar social, econômico e ambiental
4. Pagamento do preço justo
5. Proibição do trabalho infantil e trabalho forçado
6. Não discriminação, igualdade de gênero e liberdade de associação
7. Boas condições de trabalho
8. Desenvolvimento de capacidades dos membros ou empregados
9. Promover e defender o comércio justo
10. Respeito ao meio ambiente

O consumidor pode estar atento a selos “fair trade” que indiquem o comércio justo em produtos. Porém, no Brasil, há poucos produtos disponíveis no mercado com o selo, que dependem de inciativas que aproximem os consumidores do comércio justo. Uma delas é a Fair Trade Place, evento que está sendo promovido pela Brasil Social Chic em parceria com o SEBRAE.

Até o dia 16 de setembro, poderão ser encontrados expositores dos mais variados segmentos, como objetos de decoração e artesanato, acessórios de moda e alimentos. Além da venda de produtos, também são realizadas palestras e workshops sobre Empreendedorismo, Moda e Design e Comércio Justo.

Fair Trade Place
Local: CRAB – Centro de Artesanato Brasileiro: Praça Tiradentes, 71 – Centro – Rio de Janeiro (RJ)
Horário de funcionamento: Terça a sábado (10h às 18h)
Data: 22 de junho a 16 de setembro
Mais informações: www.brasilsocialchic.com.br
Para participar das palestras, os interessados pagam apenas uma taxa de R$20 e as vagas são limitadas.