Pesquisadores estão produzindo sustentavelmente o gás hidrogênio, uma fonte potencial de energia limpa, usando apenas água e bactérias. O desafio é expandir o processo para fornecer grandes quantidades de hidrogênio para fins diversos, como veículos ou pequenos geradores. O hidrogênio pode ser o combustível do futuro limpo, já que ao queimá-lo produz vapor de água, sem gases poluentes.

Anteriormente, a produção de hidrogênio com bactérias dependia também de fontes de energia externas, de fontes renováveis e combustíveis fósseis. Porém, os cientistas da Universidade da Pensilvânia desenvolveram um dispositivo sem esses tipos de energia externa. É um protótipo que contém duas câmaras, a primeira segurando a bactéria e seus nutrientes e a segunda com a água salgada onde o hidrogênio é produzido. Elas são separadas por cinco células empilhadas gerando cerca de 0,6 volts, permitindo a produção do gás enquanto as bactérias se alimentam de compostos de acetato.

Outro desafio é o aproveitamento do metabolismo da bactéria, já que ao ter toda sua energia utilizada não restaria o suficiente para os micróbios crescerem e se reproduzirem. (Foto: Y Kim/B. E. Logan)

O processo oferece a possibilidade de utilizar a matéria orgânica em águas residuais para gerar energia. Para cada 30 mililitros de solução de acetato de sódio fornecidos para as bactérias, o dispositivo gera entre 21 e 26 mililitros de gás de hidrogênio ao longo de um dia. Este é um pequeno volume, cerca de quatro vezes a quantidade de combustível em um isqueiro descartável, mas é suficiente para provar que o conceito de geração de hidrogênio funciona no laboratório. Embora o equipamento necessário para produzir o hidrogênio seja caro, o dispositivo não necessita de fonte externa de energia e, portanto, nenhum dos gases do efeito estufa são gerados durante o processo.