A Neutralize Carbono oferece para o setor de construção civil uma maneira de neutralizar as emissões de CO2. O processo é o único no Brasil com o processo certificado UNFCCC, um orgão da ONU para questões climáticas.

“O cálculo das emissões de carbono geradas durante uma obra, é feito através de um acompanhamento dos processos de construção, onde são levantados dados de consumo como o total de combustível de máquinas e equipamentos utilizadas na obra, a energia elétrica utilizada no período, o transporte de funcionários até o local dentre outros fatores monitorados. A metodologia utilizada para realizar este cálculo segue os preceitos da norma ISO14.064 e são utilizados fatores de emissão disponibilizados pelos Ministério de Ciência e Tecnologia e Ministério de Minas e Energia”, explica Henrique Mendes, Gerente de Negócios da Neutralize Carbono.

Um exemplo de empresa que já usa esse serviço é a construtura D2F Engenharia, que usa o processo para neutralizar os fases emitidos durante as reformas e construções dos prédios comerciais da rede Starbucks, em São Paulo. Em três lojas atendidas, cerca de nove toneladas de CO2 já foram neutralizados.

A neutralização pode ser feita em obras de vários tamanhos e características, e o cálculo é sempre adaptado para cada caso. Segundo Henrique, a Neutralize Carbono j trabalhou “com clientes que realizam diferentes tipos de obras, residenciais, comerciais, condomínios habitacionais ou mesmo pequenas residências. Esta é uma iniciativa concreta de responsabilidade ambiental e que pode ser adotada por todos as empresas do setor da construção”.

A neutralização é feita a partir de créditos de carbono. “Esses são verificados por entidades independentes e tem origem em diversas atividades distintas, entre elas, o sequestro de carbono por evitar desmantamento ou recuperar áreas degradadas, projetos de energias renováveis, tratamento de resíduos, etc. Assim, mais importante que a atividade – plantio, eficiência energética ou processo industrial –  é saber qual o rigor da certificação, a credibilidade das instituições que mantém a certificação, etc. O aquecimento global é, como o próprio termo já diz, global e assim deve ser combatido, ou seja, tanto faz onde se reduzem as emissões, isso é bom para o mundo inteiro: esse é um paradigma a ser superado. Se há uma plantação aqui próxima ou um projeto de energia renovável, que impede emissões de combustíveis fósseis do outro lado do mundo, para o combate ao aquecimento global o efeito é o mesmo”, completa Henrique.