A Sapore, empresa brasileira de refeições coletivas, anuncia a “Cozinha Verde”.

Através de iniciativas com foco na sustentabilidade, preservação do meio ambiente e tecnologia – e servindo mais de um milhão de refeições por dia, em 1,1 mil restaurantes espalhados pelo país -, a empresa reduziu o desperdício de alimentos, além de recursos naturais como água (24%), energia elétrica (32%) e gás (32%).

Conheça as medidas tomadas pela Sapore e como foram executadas:

-Desenvolvimento de processo operacional inovador: o IOS – Inteligência Operacional Sapore – consiste em um grande trabalho de padronização de produtos, processos, pessoas e equipamentos. Um dos grandes destaques do sistema são os produtos pré-processados e processados. Ou seja, o foco, que antes era na preparação, passou a ser na finalização do produto, que chega praticamente pronto para ser servido (in natura). Sem a necessidade de um maior espaço para preparar os alimentos, a Sapore otimizou o tamanho das cozinhas e conseguiu economia real de energia elétrica, água e gás.

Cozinha Verde-Menos desperdício de alimentos: um dos grandes aliados para redução do desperdício de alimentos dentro dos restaurantes da Sapore está no IOS – Inteligência Operacional Sapore. Com ele, o produto vai para o balcão em pequenas porções e várias vezes, conforme seu consumo, para que não haja desperdício da chamada “sobra limpa”.

-Construção de cozinhas verdes: não existem panelas e fogões nas cozinhas da Sapore. Em seus lugares, há grandes estruturas fixas, conhecidas por frigideiras basculantes. Um sistema de aquecimento sem água conserva a temperatura da comida, enquanto que no forno os alimentos são cozidos a seco ou a vapor. Estas inovações tecnológicas, aliadas ao funcionamento do sistema de compra de alimentos pré-processados in natura tornaram possível a otimização dos espaços das cozinhas e a consequente redução no consumo de água e energia elétrica.

-Instalação de Centros de Distribuição: estrategicamente localizados em pontos-chave, os CDs ajudam a diminuir a distância a ser percorrida para entrega dos insumos em cada uma das unidades dentro do território nacional, contribuindo para a redução das emissões de CO2. A medida foi adotada recentemente e ainda não foi possível calcular os seus impactos.

-Uso de caminhões tripartidos: antes cada restaurante recebia a respectiva carga por meio de dois caminhões: um com os congelados e outro com os alimentos secos. Hoje, o processo é feito com um caminhão tripartido. Ou seja, o mesmo veículo é dividido em câmaras para armazenamento de congelados, secos e resfriados. Com apenas uma viagem a carga é transportada para o restaurante também contribuindo com a redução na emissão de CO2.

-Processador autossuficiente: o uso de processador autossuficiente de detritos transforma o lixo orgânico em adubos (o adubo produzido é enviado para fornecedores da empresa e aplicados na produção dos alimentos).

-Dispositivos que reduzem o consumo de energia: Instalações de dispositivos que reduzem o consumo de energia das geladeiras e câmaras frigoríficas. A Sapore é a primeira a implantar este sistema dentro de uma cozinha industrial. Vale destacar aqui o uso de instrumentos como fritadeiras ecológicas e reciclador de lixo orgânico (decomposteira).

-Torneiras sustentáveis: Desenvolvimento de sistemas de controle de acionamento via sensor de torneiras que reduzem o consumo de água. O sistema é o mesmo usado, por exemplo, em banheiros de shoppings, quando a água é acionada por meio da proximidade das mãos da torneira. A inovação está no fato do sistema ser implantado dentro de uma cozinha industrial.

Você sabia?

Quarto maior produtor mundial de alimentos, o Brasil produz comida suficiente para alimentar toda a sua população e ainda exportar excedentes. Mas além da má distribuição, um dos maiores problemas do país é o desperdício. Dados da Embrapa estimam em uma perda diária de alimentos na casa das 40 mil toneladas, uma quantidade suficiente para alimentar em torno de 19 milhões de pessoas com três refeições por dia.