Depois de anunciar o projeto de uma ilha artificial sustentável para a copa de 2022, o Qatar agora planeja construir um conjunto de hotéis e apartamentos flutuantes, com uma central de geração de energias renováveis, que vai tornar o complexo de hospedagem independente do abastecimento elétrico da região. Além disso, os hotéis vão contar com uma unidade de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos.

A proposta foi apresentada pelo escritório Sigge Architects, em parceria com a empresa Global Accommodation Management. Eles estimaram que o complexo vai ajudar a acomodar mais de 25 mil pessoas durante o Mundial, e decidiram que a estrutura contará com seus próprios serviços públicos e de distribuição de energia.

Todas as acomodações previstas no projeto serão de alto padrão, e vão fazer parte da Oryx Island, ilha artificial que vem sendo construída na região costeira de Doha. Os hóspedes e visitantes da rede de hotéis chegarão ao local por meio de barcas e novas vias públicas, que ficarão prontas antes da conclusão do empreendimento.

Conforme divulgou o site InHabitat, os ambientes internos da estrutura seguirão conceitos contemporâneos de design, e a maioria deles vai contar com amplas paredes de vidro para os visitantes aproveitarem a iluminação do sol – e, com isso, diminuir o gasto de luz – e, também, usufruírem da vista para o mar.

Embora o complexo de hotéis chame atenção por sua grandiosidade, já existem críticas voltadas à implantação do projeto. Isso porque, embora a habitação flutuante pareça uma boa alternativa de otimização de espaço, ainda não são previstos os impactos que podem ser causados no ecossistema marinho do local, colocando em risco a preservação de várias espécies e a qualidade da água da região.

(via Ciclovivo)