O Mato Grosso do Sul (MS) dá um passo importante na disseminação da eletricidade solar. O estado é o que terá a maior quantidade no país de edificações com o Selo Solar, certificação do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (Ideal) para residências e empresas que aproveitam a energia do sol para gerar eletricidade. A cerimônia de entrega dos Selos do Estado, sendo seis para proprietários de residências e uma para um escritório de advocacia, ocorre nesta quarta-feira (dia 6), em Campo Grande.

Até aqui, nenhum Selo tinha sido concedido ao MS. Mas a grande quantidade de locais habilitados para receber a certificação garantirá a liderança ao estado logo na estreia. A maior parte das certificações – seis – vai para locais da capital, Campo Grande, que implantaram microgeradores fotovoltaicos. Receberão o Selo cinco residências e um escritório de advocacia, que para obter a certificação não investiu apenas na instalação do equipamento, mas também em medidas de eficiência energética para reduzir seu consumo elétrico. Uma residência de Corumbá fecha as participações de MS. Para a gerente de projetos do Ideal, Paula Scheidt Manoel, que fará a entrega dos Selos na quarta-feira, o estado tem tudo para ampliar ainda mais a lista de locais certificados pelo potencial de sol na região.

Também na quarta-feira uma residência no Rio de Janeiro recebe o Selo Solar. Para a gerente de projetos do Ideal, as empresas especializadas na instalação podem ser aliadas na divulgação do Selo e da eletricidade solar, como tem sido a Solar Energy, que instalou os sistemas em MS. “Uma residência com o Selo pode despertar o interesse dos vizinhos para que eles busquem saber mais sobre eletricidade solar. Isso fortalece não só a imagem do Selo, como também na propagação desse tipo de energia”, ressalta.

Mais sobre o Selo Solar

O Selo Solar foi criado em 2012, como um reconhecimento para instituições públicas e privadas e proprietários de edificações que consomem um valor mínimo anual de eletricidade solar ou que têm pelo menos 50% do seu consumo de eletricidade vindo de fonte solar. O Selo é uma iniciativa do Instituto Ideal e da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), com o apoio da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e do Banco Alemão de Desenvolvimento (KfW).