As fontes de matéria-prima são bem diversas. Muitas vezes a indústria de móveis recebe tábuas rachadas e descarta. Nesse momento, Rodrigo Machado começa seu trabalho, que foi iniciado quando trabalhava com cenografia e via o desperdício pós-evento.

As motos novas chegam às concessionárias dentro de caixas – que o artista aproveita. Fábricas de ofurô geram muitos pequenos pedaços de madeira – que ele recolhe. “Depois de um tempo, a gente já sabe filtrar bem o que vai usar”, comenta.

Machado trabalha basicamente sob encomenda. Mas sua clientela se define pela poder aquisitivo. São, basicamente, “pessoas que aceitam esse tipo de material em casa, que querem investir na minha proposta e que buscam sustentabilidade em suas vidas”, comenta.

Confira os móveis do artista:

(via PrimaPagina)