Nesta quinta-feira, 18 de junho, o Vaticano irá divulgar uma encíclica papal sobre mudanças climáticas e meio ambiente. Encíclicas são documentos dirigidos aos católicos de todo o mundo para atualizar a doutrina por meio de um ensinamento ou a respeito de um tema da atualidade. Esta é a primeira vez em seus mais de 2.000 anos de existência que a Igreja Católica formaliza um posicionamento sobre um tema ambiental. Portanto, há grande expectativa de que a mensagem do papa Francisco tenha um peso grande sobre o acordo que deverá ser fechado no final deste ano, em Paris, para combater o aquecimento global. Por isso, ONGs ambientais de todo o mundo estão promovendo uma campanha para elevar a visibilidade do assunto perante a opinião pública.

O Papa Francisco sobre encíclica sobre meio ambiente nesta quinta-feira (Foto: Max Rossi/Reuters)

O Papa Francisco sobre encíclica sobre meio ambiente nesta quinta-feira (Foto: Max Rossi/Reuters)

No Brasil, a iniciativa é liderada pelo Observatório do Clima, rede brasileira de organizações da sociedade civil que atua na agenda de mudanças climáticas. Além de um bem-humorado vídeo inspirado em filmes de luta, como Rocky e Karatê Kid, a etapa brasileira da campanha conta com vídeos contendo depoimentos de lideranças de várias religiões que serão lançados ainda este mês. “A campanha reconhece a importância da iniciativa do Papa Francisco e mostra também que as mudanças climáticas são um assunto de interesse de todas as religiões”, explica Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima. “A encíclica  trará à tona o aspecto moral das alterações climáticas, que estão afetando especialmente as populações carentes e em situação de risco”, completa.  

Poucos dias após o lançamento da encíclica, a presidente Dilma Rousseff terá um encontro com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. A questão climática e energética será um dos principais temas da reunião. “A mobilização da sociedade é fundamental neste momento, pois até agora o Brasil não apresentou suas metas de redução de emissões dos gases causadores do efeito estufa para o acordo de Paris”, destaca Rittl. “Como mostrou a pesquisa do Datafolha, o brasileiro já percebeu que as mudanças climáticas estão diretamente relacionadas com as crises de água e energia que estão afetando a qualidade de vida e os bolsos de todos” lembra Rittl.

 

Segundo o levantamento, quase a totalidade dos brasileiros (95%)  acha que as mudanças climáticas já estão afetando o Brasil. Nove em cada 10 entrevistados veem uma relação direta entre as crises da água e energia e as alterações do clima, sendo que para 74% há muita relação.“Não estamos mais falando de uma hipótese, mas de uma realidade que tende a se tornar mais perversa se não mudarmos a maneira como produzimos e consumimos”, conclui.