O Prêmio Milton Santos foi instituído pela Câmara Municipal de São Paulo por meio da Resolução 6/2002 e visa reconhecer publicamente projetos ou iniciativas que promovam formas locais de organização e desenvolvimento social no município de São Paulo. No início de 2015, o Instituto 5 Elementos inscreveu o projeto Consumo Sustentável e Ação na Subprefeitura Lapa www.consumosustentaveleacao.org.br na categoria 2, destinado a projetos concluídos em 2014, com incidência no município de São Paulo, que consideraram o território como instância política, resultando em formas de solidariedade social por meio de seus agentes.

-PREMIO NILTON SANTOS-CREDITO-ANDRE BUENO-IMG_2125Na última quarta-feira ocorreu o evento de premiação. Foram inscritos 62 projetos e compuseram a mesa integrante da banca avaliadora, o vereador Toninho Vespoli, o vencedor do ano anterior com o projeto horta nas escolas, o presidente da OAB e o fundador do prêmio Milton Santos, o atual Secretário de Cultura, o vereador Nabil Bonduki. Os integrantes da mesa apresentaram o histórico do prêmio e a dificuldade em selecionar os melhores, pois todos são de grande relevância para a cidade de São Paulo. Cada categoria teve um vencedor e duas menções honrosas e, quando o nome do Instituto foi anunciado, Mônica Pilz Borba, gestora e Gina Rizpah Besen, consultora do Instituto 5 Elementos, ficaram surpresas e muito felizes pelo reconhecimento momento em que apresentaram o projeto, resultados e desafios. “Este projeto é uma referência na área de comunicação e mobilização social em prol da boa gestão dos resíduos sólidos e este prêmio reconhece a importante desta ação junto a administração pública”, diz Mônica Pilz Borba*, pedagoga, educadora ambiental e fundadora do Instituto 5 Elementos.

O projeto Consumo Sustentável e Ação na Subprefeitura Lapa realizado no período de agosto de 2013 a agosto de 2014, teve como objetivo reduzir a quantidade de rejeitos que são destinados ao aterro e ampliar a quantidade de resíduos sólidos secos destinados a coleta seletiva, além de estimular práticas de sustentabilidade junto às lideranças das 40 instituições parceiras do projeto. Foi financiado pelo FEMA – Fundo Especial de Meio Ambiente do município de São Paulo e apoiado pela Natura. O projeto foi desenvolvido em três etapas. Na primeira, foi elaborado um diagnóstico da gestão de resíduos sólidos urbanos na região. Na segunda, foram identificados e articulados parceiros que atuam na região, possibilitando o planejamento de ações conjuntas.

A primeira etapa do projeto consistiu na elaboração de um diagnóstico que apresenta o levantamento e análise de diversas informações sobre a coleta e a destinação de vários tipos de resíduos descartados nas residências dos mais de 300 mil habitantes da subprefeitura Lapa. A partir das informações analisadas no diagnóstico, foi desenvolvido ummapa/folder de comunicação sobre Consumo e Descarte Sustentável, com tiragem de 85.000 exemplares, que foram distribuídos na região pelos parceiros do projeto. O folder traz informações sobre como descartar os vários tipos de resíduos produzidos nas residências – como os recicláveis, remédios, de reformas, eletroeletrônicos e outros – e o que fazer com os resíduos úmidos para transformá-los em adubo. O folder também apresenta um mapa da subprefeitura Lapa, onde foram identificados pontos de entrega de resíduos, de consumo de produtos orgânicos e de práticas de sustentabilidade.

Até junho de 2013, foram promovidas oficinas sobre Consumo e Descarte Sustentável para instituições parceiras, lideranças comunitárias e agentes estratégicos nos seis distritos da subprefeitura Lapa (Barra Funda, Perdizes, Vila Leopoldina, Jaguara, Jaguaré e Lapa). As oficinas abordaram as principais diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos na Cidade de São Paulo (PGIRS), apresentou o sistema de gestão de resíduos domiciliares na Subprefeitura Lapa e ensina práticas sustentáveis como a utilização de minhocário. Durante a oficina, os participantes recebem uma versão do mapa/folder para, em conjunto, apresentarem sugestões e contribuições para aprimorá-lo e também para proporem articulações com o propósito de disseminar estes conhecimentos para a população local.

Com a ampliação da quantidade de instituições envolvidas com o projeto, e o nível de crescimento das informações sobre o consumo sustentável entre os parceiros, que contribuiu com uma forte difusão em relação ao descarte correto e as práticas sustentáveis junto à população local, reduzindo a geração excessiva e o descarte incorreto de resíduos, alcançando o objetivo inicial do projeto. Os parceiros do Projeto promoveram “campanhas” junto a seus associados ou redes de relacionamento, para dar continuidade aos conteúdos e práticas estimuladas pelo projeto, contribuindo assim para a melhor gestão dos resíduos sólidos na região.