Logo no início das obras da fábrica, o time de Meio Ambiente foi desafiado a desenvolver um projeto paisagístico exclusivamente com espécies nativas. Um detalhe importante: o Polo Automotivo Jeep foi construído em uma região dominada pela plantação da cana-de-açúcar. Durante séculos, esse cultivo substituiu a vegetação nativa. Portanto, identificar quais eram as plantas do bioma Mata Atlântica que existiam ali, antes da cana-de-açúcar, não foi tarefa fácil! As respostas estavam em registros históricos e muita pesquisa de campo. Surgia o Programa de Biodiversidade da Jeep, que ultrapassou o propósito de projeto paisagístico e, hoje, é uma das mais relevantes iniciativas de conservação da Mata Atlântica do país. Hoje, o Polo Automotivo Jeep é também uma fábrica de mudas. Para realizar o mapeamento inédito, a Jeep fez parceria com as universidades federais de Pernambuco e Rural de Pernambuco que, ao longo de 2014, estiveram à frente de um amplo levantamento bibliográfico e intenso trabalho de campo nos municípios de Goiana, Igarassu, Abreu e Lima, Itamaracá e Paulista. No período, foram inventariadas 618 espécies de plantas. Somente em Goiana, foram identificadas 189 espécies, incluindo o pau-de-jangada, o pau-ferro, o pau-brasil e o visgueiro, que estão em extinção.

WhatsApp Image 2019-08-27 at 17.56.48 (2)

   Em relação à fauna, foram inventariadas 446 espécies, sendo 36 de peixes, 67 de répteis e anfíbios, 290 de aves e 53 de mamíferos. Desse total, a equipe identificou 35 espécies em extinção, como os pássaros pica-pau-anão-dourado e o bico-virado-liso, o peixe-boi-marinho e o tamanduá-mirim. Pesquisa feita e espécies identificadas! Mas onde conseguir as mudas? O próximo passo foi a construção de um viveiro no Polo Automotivo Jeep. Com área de um hectare e capacidade para produção de 88 mil mudas por ano, o viveiro iniciou operação antes mesmo da inauguração da fábrica. É considerado o maior viveiro de mudas da Mata Atlântica do Nordeste. Já foram plantadas, desde 2014, cem mil mudas de 295 diferentes espécies, sendo 27 em extinção, produzidas no viveiro. Os locais para o plantio são escolhidos com cuidado, para a formação de corredores ecológicos capazes de conectar fragmentos florestais e atrair a fauna local. Muitos animais selvagens, como a Jaguatirica e Tamanduá, já foram observados na área do Polo, voltando ao seu habitat.

  A meta é alcançar até 2024 o plantio de 208 mil mudas, com a criação de 304 hectares de área verde e corredores ecológicos.

A produção de mudas no viveiro ocorre através de dois métodos: propagação e semeadura. A propagação das espécies nativas é feita pela reprodução sexuada, através das sementes nos canteiros e tubetes, ou pela reprodução assexuada, através da multiplicação da planta-mãe por estacas de ramos jovens ou divisão de touceiras. Na semeadura, as sementes das espécies nativas são colocadas em canteiros ou tubetes, onde permanecem até sua germinação. O tempo de germinação varia de espécie para espécie e pode levar de três dias até três meses. A obtenção das sementes é uma etapa fundamental na propagação de espécies florestais nativas, e é realizada através da colheita direta de frutos e/ou sementes no chão por “mateiros” da região.

O Programa de Biodiversidade é uma ação proativa e voluntária. Dessa forma, não está atrelada a exigências do processo de licenciamento ambiental. É um compromisso da Jeep de impulsionar na região transformações relevantes para a conservação da Mata Atlântica, ao doar mudas e promover educação ambiental, colocando sua inteligência e ativos para gerar valor para a comunidade.

Educação ambiental

Além de conservar a Mata Atlântica, a Jeep contribui para a formação de uma nova geração que reconhece a importância da preservação da biodiversidade local. Ao receber alunos do Ensino Fundamental de escolas públicas de Goiana, o viveiro se transforma numa sala de aula a céu aberto. O Programa de Educação da Jeep nasceu integrado ao Programa de Biodiversidade, com o propósito de colaborar para que a educação ambiental se integre à rotina escolar, estimulando os alunos a atuarem como agentes de defesa e conservação do meio ambiente. Mais de dois mil alunos já participaram do circuito. A ação tem parceria com a Prefeitura Municipal de Goiana que, por meio da Secretaria de Educação, mobiliza gestores, supervisores, professores e alunos. Todos os educadores do 5º ano do Ensino Fundamental de escolas públicas de Goiana receberam a cartilha “Trabalhando com a Biodiversidade na Escola”, com sugestões de projetos e atividades para serem desenvolvidos em sala de aula

Porta-voz: Danúbia Lima, responsável pelo Programa.