Vamos ficar atentos!?

Por Rex às 14h52 de 19/07/2012

Daqui alguns dias começam os jogos olímpicos, vários meios de comunicação devem falar bastante sobre a competição, e possivelmente muitos de nós estaremos acompanhando os jogos, as modalidades, as emoções e tudo mais. Creio que vai ser bacana se os atletas que nos representam conquistarem medalhas, é algo que somente eles podem conseguir fazer.

Enquanto isso, a vida continua por aqui, certo? As discussões sobre o código florestal ainda estão acontecendo, o texto-base do relatório da medida provisória do Código Florestal foi aprovado no dia 12, e pelo que entendi, os itens destacados pelos deputados e senadores serão discutidos no mês de agosto. Eu já nem sei mais se o que for aprovado ou deixar de ser aprovado vai ter algum benefício real para o país, para a biosiversidade, para as pessoas, afinal, são tantos interesses em jogo. Mas de braços cruzados não podemos ficar, temos que acompanhar de perto essa história e demonstrar nossas opiniões!

A Rio+20 se acabou, talvez algum desdobramento dela ainda tenha destaque, mas cabe a nós inclusive, cidadãos, pessoas que se importam em cuidar do planeta, não deixar que seja apenas mais um evento que passou, mas sim manter vivas as discussões, os temas, buscando verdadeiramente que a real sustentabilidade aconteça cada vez mais.

Este é um ano eleitoral também, lembram? As eleições municipais logo vão chegar, as campanhas e promessas já começaram, então este é mais um tema importante onde nossa cidadania socioambiental pode ser praticada. Antes das eleições, vamos analisar e buscar informações dos candidatos, prefeitos, vice-prefeitos, vereadores… temos que ficar realmente atentos para que eles, que serão eleitos por nós, e terão a tarefa de continuar o trabalho pelo povo, para o povo e com o povo, sejam representantes verdadeiros de cada cidadão. E então, a eleição vai acontecer. E depois dela, nosso papel é continuar de olho, verificar, lembrar das propostas, das promessas, cobrar, correr atrás!

Muita coisa pra acontecer nos próximos dias, nos próximos meses, né? Que o Brasil possa ter muitas vitórias. Que o planeta possa ter muitas vitórias. Que a justiça planetária aconteça. Ou que pelo menos, já estejamos neste caminho. Amém.

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Celebrando a Mata Atlântica!

Por Rex às 13h06 de 15/05/2012

Salve salve, pessoas! O Viva a Mata está chegando! Pra quem ainda não conhece este grande evento em prol da Mata Atlântica (e pra quem conhece, também vale), recomendo que reserve um tempo na agenda para visitar e participar. Acontece durante os dias 18, 19 e 20 de maio na arena de eventos do Parque do Ibirapuera (ao lado do Museu Afro Brasil) em São Paulo (SP). Aberto ao público, gratuito, o Viva a Mata busca sensibilizar e conscientizar a sociedade e promover a troca de informações entre os que lutam pela conservação da floresta, com exposição de projetos e iniciativas, palestras, debates, teatro, jogos e diversas outras coisas legais. Com mais de 30 atrações programadas e 75 estandes temáticos, você poderá conferir porque o “Nosso verde também depende do azul”. Funciona das 9h às 18h.

Entre as diversas atrações, acontecimentos e expositores, estaremos lá presente com o Instituto Jerivá no estande de Educação Ambiental. Estamos animados, felizes, preparando atividades e materiais bem bacanas, e todo mundo está mais do que convidado!

Além, da programação intensa prevista para os 3 dias, no domingo de manhã vai acontecer uma mobilização para manifestar nossa indignação contra a aprovação do novo Código Florestal! O ponto de encontro é em frente ao Monumento das Bandeiras, do lado de fora do Parque Ibirapuera, às 10h. E claro, todos convocados e convidados também!

Veja aqui a programação completa do evento: http://www.sosma.org.br/blog/?p=8363

Aqui o convite para a mobilização: http://www.facebook.com/events/315664548503942

E aqui um pequeno vídeo de como foi o evento do ano passado:
http://www.youtube.com/watch?v=NRLITnOKqoA&feature=youtu.be

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Mangue e Floresta fazem a Diferença!

Por Rex às 11h42 de 20/04/2012

Qual é a verdadeira importância das florestas? E pra que serve um manguezal? Será que estamos cuidando bem dos nossos oceanos? Estas e outras importantes questões servem para nossa reflexão, busca por informações e principalmente, ações, reações, e atitudes sustentáveis.

#manguefazadiferenca em Santos (SP)

O artigo 225 da Constituição da República Federativa do Brasil diz: “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações”. Apesar disso, a proposta do novo Código Florestal que está sendo aprovada pela maioria dos nossos parlamentares, permite mais desmatamento, proporciona maior destruição, e assim, facilita os interesses de quem quer acabar com o pouco de floresta que ainda existe. Mas apesar de ser apenas um pouco de floresta, exerce um papel fundamental para a manutenção da vida, para nossa exisência. Ou seja, você só continua vivo porque as florestas existem! E eu também. E todo o mundo!

Rex em Brasília (DF) | fonte: fotos.estadao.com.br

Mais de um 1 milhão e meio de cidadãos brasileiros assinaram a petição contrária às mudanças do Código Florestal, e este documento foi encaminhado à Presidência da República. Movimentos, mobilizações, manifestações, eventos, conversas, estão acontecendo por todo território brasileiro. Se você ainda não está ligado nas discussões e acontecimentos sobre o tema, ainda dá tempo de participar e demonstrar o que pensa sobre o assunto. Ainda dá tempo de exercer um pouco mais a sua cidadania socioambiental. Simbora?

A campanha Mangue Faz a Diferença e o movimento Floresta Faz a Diferença demonstram o pensamento das pessoas que não querem a destruição das florestas, daqueles que entendem o valor dos manguezais, daqueles que lutam por um planeta mais saudável.

Instituto Jerivá em Santos (SP) #manguefazadiferenca

Nossas florestas protegem as nascentes e os rios, seguram e fertilizam a terra, reduzem a erosão, regulam as chuvas. Nossas florestas são o habitat de muitas espécies, servem de casa para vários animais, servem de fonte de alimento para vários animais também, inclusive para o ser humano. As florestas atraem polinizadores para as lavouras, ajudam a ter plantações saudáveis, aumentam a produtividade agrícola, e seu uso de forma sustentável garante a renda e melhora as condições de vida dos agricultores familiares, cooperativas e populações tradicionais. Nossas florestas são santuários da biodiversidade. Elas também ajudam a renovar o ar que respiramos.

Os manguezais são “berçários” para muitas espécies de animais com importância ambiental, econômica e social. Existem hoje mais de 500 mil pescadores no Brasil e o setor abrange mais de 1 milhão de pessoas se contarmos os empregos indiretos. Os manguezais são fonte de alimentação e de renda para um grande número de brasileiros.

#florestafazadiferenca na Praça da Sé em São Paulo

Não podemos deixar que tudo isso seja ignorado, destruído, aniquilado! Os interesses em jogo nas discussões do novo Código Florestal são vários, mas não podemos deixar o dinheiro e a ganância pelo poder, e a falta de vergonha na cara, falar mais alto! Temos que fazer algo, continuar a fazer, ou começar a fazer, não importa. O que vale é não ficar parado achando que tudo está bem. Primeiro e principalmente pelo respeito ao planeta e respeito a todas as formas de vida, segundo, porque a destruição dos ecossistemas afeta inclusive o ser humano, influencia diretamente nossa vida.

Neste próximo domingo dia 22, é comemorado o Dia da Terra, e mobilizações vão acontecer em várias cidades do Brasil. Veja aqui locais e horários, encontre o movimento que vai acontecer perto de você e não deixe de participar! #manguefazadiferenca #florestafazadiferenca #vetadilma

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

10 formas de se Integrar com a Natureza

Por Rex às 19h22 de 02/04/2012

E numa tarde qualquer de um dia normal, ao trocar umas ideias com Joana D’Arc (Presidente do Insituto de Preservação e Educação Ambiental Jerivá) resolvemos escrever uma lista de coisas bacanas que podemos fazer para ficar mais próximos da natureza. São sugestões relativamente simples de realizar, que podem resultar em ótimas vivências, experiências e aprendizados.

Eu me lembro quando tempos atrás olhei no dicionário o significado da palavra “integrar”, e lá estava: “completar-se”. É exatamente isso que eu sinto quando tenho um contato direto com a natureza. Estar num ambiente natural e se permitir experimentar, conhecer, explorar, sentir, é sempre muito bom. Se conhecer e conhecer o lugar onde vivemos é essencial para o exercício da nossa cidadania socioambiental, e com a publicação desta lista espero que possa servir de inspiração, objeto de reflexão e principalmente de motivação para realizar cada um de seus itens. Seja pela primeira vez ou não. Permita-se, complete-se.

1. Andar descalço na terra.
Pisar na terra, ter o contato direto com este elemento essencial para a nossa vida, é algo indescritível. Escolha um ambiente tranquilo, onde você possa ouvir a natureza, observar o que acontece ao seu redor enquanto caminha. É uma experiência que pode ser muito rica.

2. Observar o céu e as estrelas à noite.
Aproveitar a noite com uma bela lua e as estrelhas brilhando, também é muito legal. Você já parou pra fazer isso? Dê preferência para um local silencioso e comece a observar. É bem possível que você passe algumas horas olhando para cima, principalmente se deitar no chão e imaginar como seria se a gente pudesse chegar até alguma estrela…

3. Plantar uma(s) árvore(s).
Plante uma árvore. Plante várias árvores. E cuide bem dela(s)! Colocar na terra uma mudinha ou uma semente e acompanhar seu o crescimento, cultivar, observar cada fase do desenvolvimento, conversar com ela, é simplesmente mágico.

4. Observar a vida silvestre.
Se você quiser observar plantas e animais grandes, talvez dê um pouquinho mais de trabalho, mas com certeza é uma experiência incrível. Observar, tentar entender como as coisas funcionam, perceber os milagres da natureza. E isso pode ser feito em um jardim também. Você já parou pra observar quanta vida existe em um pequeno canteiro com um pouquinho de terra e algumas plantas?

5. Pegar uma fruta no pé e comê-la.
Comer uma fruta fresquinha retirada diretamente da árvore não é privilégio de muitos hoje em dia. Se você ainda não teve esta oportunidade, faça isso. Ainda mais se for de um cultivo orgânico. Lembre-se de não quebrar nenhum galho se for subir na árvore, e pegar apenas as frutas necessárias para sua alimentação.

6. Tomar um banho de cachoeira.
Não é uma sensação incrível poder receber toda a energia de uma bela cachoeira? Ter o prazer de sentir na pele uma água limpa e cheia de vida? Recomendo! E claro, não se esqueça de quando for embora, deixar o ambiente tão limpo quanto estava.

7. Caminhar sob a chuva.
Sentir as gotas de água caindo em  seu rosto, se permitir não fugir da chuva, mas sim se integrar com ela, é demais! Faça isso de vez em quando. Ou faça sempre.

8. Participar de um mutirão de limpeza.
A gente sabe como as coisas funcionam, e infelizmente nem tudo é tal qual um poema lindo e maravilhoso. Assim sendo, você também pode se integrar com a natureza ajudando a cuidar de algum ambiente específico. A primeira regra é: sempre traga o seu lixo de volta e dê o destino mais correto possível para ele. Mas como algumas (muitas) pessoas não fazm isso, de vez em quando um pessoal se organiza e faz uma limpeza. Pode ser numa trilha, na praia, na beira de um rio, e até mesmo na rua da sua casa. O importante é não ficar parado. Sempre podemos contribuir!

9. Observar uma rocha.
Apenas uma pedra? Nãaaooo! Tem muito mais pra gente ver em cada fragmento de rocha que existe por aí. De onde ela veio, pra onde ela vai? Como se formou? Quanto tempo levou pra isso? Quais elementos estão nela? As rochas falam com você. Que tal conversar com elas durante alguns minutos?

10. Observar o nascer e o pôr do sol.
Ah, o velho e bom pôr do sol. Quem já não parou para observar o sol sumindo no horizonte? E acordar cedinho para vê-lo trazer a luz do novo dia? Cada vez que faço isso, minhas energias são renovadas. Seja da janela de casa, ou de cima de uma montanha, lá está ele, o grande astro essencial para a nossa existência. Essencial para a manutenção da vida no planeta.

É isso. Que tal? O que mais poderia entrar nesta lista? Você tem alguma sugestão? Ou quer contar como foi quando fez alguma destas coisas? Vou gostar de receber sua contribuição. Deixe seu comentário aqui. Valeu!

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Água. Tem, mas acabou?

Por Rex às 7h02 de 22/03/2012

Você sabia que hoje é o dia da água? Pois é, no dia 22 de março de 1992, a Organização das Nações Unidas (ONU) apresentou a Declaração Universal dos Direitos da Água (publicada no final deste texto) e instituiu a data como Dia Mundial da Água. A ideia é aproveitar para refletir, discutir, e prestar um pouco mais de atenção a este recurso natural tão valioso para a nossa vida.

Na verdade, podemos (e precisamos) cuidar das águas o tempo todo, todos os dias do ano. Todos os anos. Sempre. Nossos rios, riachos, lagos e cachoeiras precisam ser preservados. Atualmente, menos de 1% de toda água do planeta é adequada para o consumo humano. Existe escassez de água doce de boa qualidade em várias regiões do mundo. Na África e no Oriente Médio, por exemplo, a situação é bastante difícil. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) mais de 1 bilhão de pessoas não têm acesso à água tratada no mundo, ou seja, se quando você abre a torneira da sua casa, sai água, pode se considerar um privilegiado.

E o que fazer para economizar e cuidar da água? Bom, aquelas dicas de sempre que você já deve ter ouvido falar são muito importantes, como não deixar a torneira pingando, não desperdiçar nenhuma gota, conhecer e seguir as regras de conservação e racionamento de água que possam estar em vigor, buscar alternativas para não ter que lavar o quintal com a água da mangueira, reaproveitamento da água, captação da água de chuva, etc.

Compartilho aqui alguns links sobre o assunto:

www.josephbergen.com/viz/water | Consumo Mundial de Água | Infográfico interativo que mostra a situação do consumo de água em todo o planeta. Site em inglês.

www.uniagua.org.br | Universidade da Água | Várias informações sobre a água e temas relacionados.

www.xixinobanho.org.br | Campanha Xixi no Banho | Incentiva a fazer xixi na hora de tomar banho e assim economizar a água que seria gasta na descarga.

www.ana.gov.br | Agência Nacional de Águas (ANA) | Várias informações sobre a água e temas relacionados.

Declaração Universal dos Direitos da Água

Art. 1º – A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º – A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º – O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º – A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.
Art. 6º – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º – A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Quem fica parado é poste

Por Rex às 13h40 de 23/02/2012

Aquecimento global, buraco na camada de ozônio, injustiças sociais, desmatamento na Amazônia, fome na África, corrupção internacional, crise mundial, geleiras derretendo, poluição, países em guerra por água potável, capitalismo, tratados internacionais, conferências, incoerências, influências, resistências… Ufa! Várias situações, acontecimentos e desafios pela frente. Tudo parece tão complexo pra você, quanto pra mim?

Pois é, apesar da dimensão de tudo isso, a princípio podemos pensar que são problemas sem solução, e que nada temos a fazer. Então te digo já, sem nenhuma dúvida: temos muito o que fazer! Podemos e devemos fazer. Você pode, seu amigo pode, seu vizinho pode, eu posso, aquele outro cidadão ali também pode. O exercício da cidadania socioambiental depende das atitudes que a gente toma.

Você já ouviu o termo “Pensar Global, Agir Local”? Os grandes dilemas globais precisam ser discutidos e resolvidos, e para isso, as ações locais são essenciais. Na sua cidade, no seu bairro, na sua rua, na sua casa, o que é que pode ser feito? Como que você cidadão pode contribuir para melhorar o lugar onde você vive? Não tenha medo de errar. Tenha medo apenas de ficar parado.

Sabe aquela moeda que você dá pra criança no farol? Ou aquela contribuição que você faz pra se livrar logo da tiazinha que liga todo mês no seu escritório? Mas qual é mesmo a instituição que ela representa? Doar é um ato de caridade, uma atitude importante que geralmente traz benefícios para quem recebe, entretanto é possível fazer muito mais do que isso. Doe seu tempo, doe sua alma, compartilhe seu coração. Que tal visitar uma creche, um asilo, ou aquela instituição filantrópica que uma vez você ouviu falar? E lá você pode descobrir como participar mais, e contribuir de fato para o trabalho realizado por eles, fazer parte de algo maior.

Cyberativismo também é legal, é importante demonstrar o que pensamos através da internet. Podemos utilizar a grande rede para publicar ideias, pensamentos, vontades. Podemos participar de discussões online, assinar uma petição, publicar fotos, compartilhar informações, utilizar o email como ferramenta. Mas somente isso ainda é pouco. Que tal sair na rua para demonstrar o que e como você pensa? Tem questionamentos, indignações, propostas? Você pode participar de mobilizações, coletivos, reuniões, grupos de trabalhos, eventos, cooperativas, associações, organizações não governamentais (ONGs), contribuir com o seu conhecimento, adquirir novos conhecimentos, ampliar seus horizontes.

Estudar é importantíssimo. Ler, pesquisar, viajar nas ideias, desenvolver ideias, etc. Mas complementar o conhecimento adquirido na literatura com vivências presenciais, não tem preço. Ver de perto, ver com os próprios olhos, conhecer, sentir na pele, vivenciar, estar presente, se envolver, tudo isso faz parte de nossa cidadania socioambiental. E aos poucos vamos evoluindo, nos conhecendo, conhecendo os outros, nos integrando mais com o planeta em que vivemos. Eu estou nesse processo. Conhecer, ensinar, aprender, explorar, exercitar, desenvolver, fazer!

Várias matérias publicadas aqui no Atitude Sustentável trazem coisas bacanas para você aplicar em sua vida, no seu dia-a-dia, na sua forma de se relacionar com o Planeta Terra. E nos meus próximos textos também vou escrever um pouco mais de dicas, ideias e propor discussões sobre as atitudes que podemos ter. E essas atitudes locais, geram resultados globais.

Já dizia minha avó, quem fica parado é poste!
E aí, vamos fazer acontecer?

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Mas o que é Sustentabilidade?

Por Rex às 14h12 de 10/02/2012

Um dia desses fui olhar no dicionário qual era o significado de SUSTENTABILIDADE e encontrei: “(sustentável+i+dade) Qualidade de sustentável”. Procurei portanto, a palavra SUSTENTÁVEL, e lá estava: “(sustentar+vel) Que pode ser sustentado”. Fui então ver a palavra SUSTENTAR e ele apresentava simplesmente 22 definições diferentes. Uau! Pois é, assim como muitas coisas que fazem parte de nossa existência, não existe uma única e absoluta verdade para responder ao questionamento feito no título, principalmente neste universo dinâmico onde nosso planeta está em constante movimento e transformação.

Algumas palavras similares são usadas quando tratamos deste assunto, geralmente “sustentabilidade” tem o foco nos ecossistemas (deixando de lado o ser humano), enquanto “desenvolvimento sustentável” considera mais as ações e intervenções humanas. Atualmente um termo que está sendo bastante utilizado e considerado mais correto é “desenvolvimento para a sustentabilidade“. Na verdade, de acordo com as mudanças no mundo e a compreensão da sociedade sobre como as coisas funcionam, as terminologias podem mudar de tempos em tempos. Acredito que é muito bom estar antenado e saber o que e como estão falando por aí, mas com certeza o mais importante é, considerar o contexto no qual se está inserido, e conseguir se fazer entender.

A definição original para “desenvolvimento sustentável” é: aquilo que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das gerações futuras suprirem às suas próprias necessidades. Este conceito foi proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU) através de sua Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento quando publicou o Relatório Brundtland em 1987. Na verdade o nome deste documento é Nosso Futuro Comum (Our Common Future) e resultou do trabalho da Comissão presidida pela ex-primeira ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland, com o ex-Ministro das Relações Exteriores do Sudão, Mansour Khalid, como vice-presidente. Ao todo foram membros de 21 governos que participaram, inclusive o Professor Paulo Nogueira Neto Paulo representando o Brasil.

Ser sustentável não é uma tarefa fácil, seja pra quem for, independente de “onde”e “como”. Acho que podemos concordar que o fato de nós existirmos já causa impacto no ambiente, e o que podemos e precisamos fazer é conseguir minimizar este impacto da melhor forma, certo? Isso serve para cada um de nós, indivíduos, pessoas físicas, cidadãos, e serve também para os governos, organizações e empresas. Mas tem que ser um sentimento verdadeiro, uma vontade real, uma atitude orgânica, sabe aquela coisa que flui naturalmente? É isso. Fazer algo só porque os outros estão cobrando, ou só para aparentar ser “sustentavelzinho” não adianta nada. E a sustentabilidade representa um desafio mundial, pois ela deve ser economicamente viável, socialmente justa, culturalmente aceita e ecologicamente correta. Bonitas palavras, que na prática, dão um enorme trabalho para acontecer da forma certa. Temos um longo caminho pela frente e todos podem e precisam colaborar.

Lembra que eu disse que busquei a definição sobre sustentabilidade? Que tal se você fizer a mesma coisa? Dá uma olhada no significado da palavra SUSTENTAR, veja quantas definições aparecem no seu dicionário. E por que será que essa grande variação existe? E qual a importância da sustentabilidade pra nossa vida? Vale gastar um tempinho pra pensar nisso, refletir, viajar nas ideias, aproveitando para observar o mundo que está ao nosso redor.

Quando eu trabalho o tema “sustentabilidade” com a criançada, costumo dizer que “sustentabilidade é saber cuidar e saber usar”…, “saber usar e saber cuidar”…, “saber cuidar e saber usar”…

Fuçando na internet achei um blog que publicou frases de pessoas que responderam à pergunta “O que é sustentabilidade pra você?” e lá encontrei a melhor definição que já vi até hoje: “Sustentabilidade pra mim é construir sem destruir” (Edney Souza). Não sei quem é este cidadão, não o conheço, mas deixo aqui os meus parabéns pela sua resposta. Espero que ele busque sempre esta prática, e espero também que suas palavras sejam inspiradoras para que cada vez mais a sustentabilidade seja uma realidade, e que a vontade e a força pra isso esteja dentro de cada um de nós!

Ótimo final de semana pra todos!  Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

De Cidadão pra Cidadão

Por Rex às 15h01 de 03/02/2012

Olá pessoas, tudo bem? É com grande honra e muita felicidade que aqui estou! Pronto pra trocar ideias, contar histórias, escrever, falar, refletir, questionar, registrar, discutir, e com certeza aprender bastante.

Eu sou um livre pensador que está sempre buscando conhecer e entender o que se passa neste grande e incrível planeta. Sou um andarilho que gosta de observar pessoas, compreender realidades e vivenciar experiências, e é um pouco de tudo isso que vamos poder compartilhar neste blog.

Meu nome é Lemuel Santos Rex, sou Educador Socioambiental, e acredito nas pessoas de bom coração. Creio que somos capazes de grandes realizações, tenho certeza que muitas conquistas podem ser feitas quando realmente acreditamos e trabalhamos pra isso. Sou um cidadão, sou feliz, sou terráqueo.

Falar sobre cidadania socioambiental é falar sobre as pessoas, sobre a vida, sobre o planeta, sobre atitudes, comportamentos, descobertas, certezas e incertezas, e muito mais. É falar sobre todas as coisas, onde compreender, refletir e agir é parte fundamental do processo. Porque falar é importante, mas vivenciar é muito mais importante!

Pra terminar este meu primeiro post, eis uma citação de Martin Luther King que considero bastante inspiradora:
“É melhor tentar e falhar, que preocupar-se a ver a vida passar. É melhor tentar, ainda que em vão, que sentir-se fazendo nada até o final. Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias tristes em casa me esconder. Prefiro ser feliz, embora louco, que em conformidade viver.”

Nos vemos por aí, ou por aqui, sempre com atitudes sustentáveis. Até a próxima.

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Cidadania S.A.

Rex
@cidadaniasa
Rex é um livre pensador a fim de trocar ideias sobre Cidadania Socioambiental. Atua em projetos socioambientais, ações de sensibilização, e atividades que buscam promover a conscientização das pessoas. É voluntário na área de Educação Ambiental do Instituto Jerivá. Colabora com projetos e iniciativas que contribuem para um mundo melhor. Participa como voluntário na Fundação SOS Mata Atlântica. É um andarilho que gosta de conhecer pessoas, lugares e realidades deste incrível planeta. É terráqueo. Seu principal veículo de transporte é a bicicleta. | www.caminhosdorex.com.br
  • Categorias