10 formas de se Integrar com a Natureza

Por Rex às 19h22 de 02/04/2012

E numa tarde qualquer de um dia normal, ao trocar umas ideias com Joana D’Arc (Presidente do Insituto de Preservação e Educação Ambiental Jerivá) resolvemos escrever uma lista de coisas bacanas que podemos fazer para ficar mais próximos da natureza. São sugestões relativamente simples de realizar, que podem resultar em ótimas vivências, experiências e aprendizados.

Eu me lembro quando tempos atrás olhei no dicionário o significado da palavra “integrar”, e lá estava: “completar-se”. É exatamente isso que eu sinto quando tenho um contato direto com a natureza. Estar num ambiente natural e se permitir experimentar, conhecer, explorar, sentir, é sempre muito bom. Se conhecer e conhecer o lugar onde vivemos é essencial para o exercício da nossa cidadania socioambiental, e com a publicação desta lista espero que possa servir de inspiração, objeto de reflexão e principalmente de motivação para realizar cada um de seus itens. Seja pela primeira vez ou não. Permita-se, complete-se.

1. Andar descalço na terra.
Pisar na terra, ter o contato direto com este elemento essencial para a nossa vida, é algo indescritível. Escolha um ambiente tranquilo, onde você possa ouvir a natureza, observar o que acontece ao seu redor enquanto caminha. É uma experiência que pode ser muito rica.

2. Observar o céu e as estrelas à noite.
Aproveitar a noite com uma bela lua e as estrelhas brilhando, também é muito legal. Você já parou pra fazer isso? Dê preferência para um local silencioso e comece a observar. É bem possível que você passe algumas horas olhando para cima, principalmente se deitar no chão e imaginar como seria se a gente pudesse chegar até alguma estrela…

3. Plantar uma(s) árvore(s).
Plante uma árvore. Plante várias árvores. E cuide bem dela(s)! Colocar na terra uma mudinha ou uma semente e acompanhar seu o crescimento, cultivar, observar cada fase do desenvolvimento, conversar com ela, é simplesmente mágico.

4. Observar a vida silvestre.
Se você quiser observar plantas e animais grandes, talvez dê um pouquinho mais de trabalho, mas com certeza é uma experiência incrível. Observar, tentar entender como as coisas funcionam, perceber os milagres da natureza. E isso pode ser feito em um jardim também. Você já parou pra observar quanta vida existe em um pequeno canteiro com um pouquinho de terra e algumas plantas?

5. Pegar uma fruta no pé e comê-la.
Comer uma fruta fresquinha retirada diretamente da árvore não é privilégio de muitos hoje em dia. Se você ainda não teve esta oportunidade, faça isso. Ainda mais se for de um cultivo orgânico. Lembre-se de não quebrar nenhum galho se for subir na árvore, e pegar apenas as frutas necessárias para sua alimentação.

6. Tomar um banho de cachoeira.
Não é uma sensação incrível poder receber toda a energia de uma bela cachoeira? Ter o prazer de sentir na pele uma água limpa e cheia de vida? Recomendo! E claro, não se esqueça de quando for embora, deixar o ambiente tão limpo quanto estava.

7. Caminhar sob a chuva.
Sentir as gotas de água caindo em  seu rosto, se permitir não fugir da chuva, mas sim se integrar com ela, é demais! Faça isso de vez em quando. Ou faça sempre.

8. Participar de um mutirão de limpeza.
A gente sabe como as coisas funcionam, e infelizmente nem tudo é tal qual um poema lindo e maravilhoso. Assim sendo, você também pode se integrar com a natureza ajudando a cuidar de algum ambiente específico. A primeira regra é: sempre traga o seu lixo de volta e dê o destino mais correto possível para ele. Mas como algumas (muitas) pessoas não fazm isso, de vez em quando um pessoal se organiza e faz uma limpeza. Pode ser numa trilha, na praia, na beira de um rio, e até mesmo na rua da sua casa. O importante é não ficar parado. Sempre podemos contribuir!

9. Observar uma rocha.
Apenas uma pedra? Nãaaooo! Tem muito mais pra gente ver em cada fragmento de rocha que existe por aí. De onde ela veio, pra onde ela vai? Como se formou? Quanto tempo levou pra isso? Quais elementos estão nela? As rochas falam com você. Que tal conversar com elas durante alguns minutos?

10. Observar o nascer e o pôr do sol.
Ah, o velho e bom pôr do sol. Quem já não parou para observar o sol sumindo no horizonte? E acordar cedinho para vê-lo trazer a luz do novo dia? Cada vez que faço isso, minhas energias são renovadas. Seja da janela de casa, ou de cima de uma montanha, lá está ele, o grande astro essencial para a nossa existência. Essencial para a manutenção da vida no planeta.

É isso. Que tal? O que mais poderia entrar nesta lista? Você tem alguma sugestão? Ou quer contar como foi quando fez alguma destas coisas? Vou gostar de receber sua contribuição. Deixe seu comentário aqui. Valeu!

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Água. Tem, mas acabou?

Por Rex às 7h02 de 22/03/2012

Você sabia que hoje é o dia da água? Pois é, no dia 22 de março de 1992, a Organização das Nações Unidas (ONU) apresentou a Declaração Universal dos Direitos da Água (publicada no final deste texto) e instituiu a data como Dia Mundial da Água. A ideia é aproveitar para refletir, discutir, e prestar um pouco mais de atenção a este recurso natural tão valioso para a nossa vida.

Na verdade, podemos (e precisamos) cuidar das águas o tempo todo, todos os dias do ano. Todos os anos. Sempre. Nossos rios, riachos, lagos e cachoeiras precisam ser preservados. Atualmente, menos de 1% de toda água do planeta é adequada para o consumo humano. Existe escassez de água doce de boa qualidade em várias regiões do mundo. Na África e no Oriente Médio, por exemplo, a situação é bastante difícil. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) mais de 1 bilhão de pessoas não têm acesso à água tratada no mundo, ou seja, se quando você abre a torneira da sua casa, sai água, pode se considerar um privilegiado.

E o que fazer para economizar e cuidar da água? Bom, aquelas dicas de sempre que você já deve ter ouvido falar são muito importantes, como não deixar a torneira pingando, não desperdiçar nenhuma gota, conhecer e seguir as regras de conservação e racionamento de água que possam estar em vigor, buscar alternativas para não ter que lavar o quintal com a água da mangueira, reaproveitamento da água, captação da água de chuva, etc.

Compartilho aqui alguns links sobre o assunto:

www.josephbergen.com/viz/water | Consumo Mundial de Água | Infográfico interativo que mostra a situação do consumo de água em todo o planeta. Site em inglês.

www.uniagua.org.br | Universidade da Água | Várias informações sobre a água e temas relacionados.

www.xixinobanho.org.br | Campanha Xixi no Banho | Incentiva a fazer xixi na hora de tomar banho e assim economizar a água que seria gasta na descarga.

www.ana.gov.br | Agência Nacional de Águas (ANA) | Várias informações sobre a água e temas relacionados.

Declaração Universal dos Direitos da Água

Art. 1º – A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º – A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º – O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º – A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.
Art. 6º – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º – A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Mas o que é Sustentabilidade?

Por Rex às 14h12 de 10/02/2012

Um dia desses fui olhar no dicionário qual era o significado de SUSTENTABILIDADE e encontrei: “(sustentável+i+dade) Qualidade de sustentável”. Procurei portanto, a palavra SUSTENTÁVEL, e lá estava: “(sustentar+vel) Que pode ser sustentado”. Fui então ver a palavra SUSTENTAR e ele apresentava simplesmente 22 definições diferentes. Uau! Pois é, assim como muitas coisas que fazem parte de nossa existência, não existe uma única e absoluta verdade para responder ao questionamento feito no título, principalmente neste universo dinâmico onde nosso planeta está em constante movimento e transformação.

Algumas palavras similares são usadas quando tratamos deste assunto, geralmente “sustentabilidade” tem o foco nos ecossistemas (deixando de lado o ser humano), enquanto “desenvolvimento sustentável” considera mais as ações e intervenções humanas. Atualmente um termo que está sendo bastante utilizado e considerado mais correto é “desenvolvimento para a sustentabilidade“. Na verdade, de acordo com as mudanças no mundo e a compreensão da sociedade sobre como as coisas funcionam, as terminologias podem mudar de tempos em tempos. Acredito que é muito bom estar antenado e saber o que e como estão falando por aí, mas com certeza o mais importante é, considerar o contexto no qual se está inserido, e conseguir se fazer entender.

A definição original para “desenvolvimento sustentável” é: aquilo que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das gerações futuras suprirem às suas próprias necessidades. Este conceito foi proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU) através de sua Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento quando publicou o Relatório Brundtland em 1987. Na verdade o nome deste documento é Nosso Futuro Comum (Our Common Future) e resultou do trabalho da Comissão presidida pela ex-primeira ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland, com o ex-Ministro das Relações Exteriores do Sudão, Mansour Khalid, como vice-presidente. Ao todo foram membros de 21 governos que participaram, inclusive o Professor Paulo Nogueira Neto Paulo representando o Brasil.

Ser sustentável não é uma tarefa fácil, seja pra quem for, independente de “onde”e “como”. Acho que podemos concordar que o fato de nós existirmos já causa impacto no ambiente, e o que podemos e precisamos fazer é conseguir minimizar este impacto da melhor forma, certo? Isso serve para cada um de nós, indivíduos, pessoas físicas, cidadãos, e serve também para os governos, organizações e empresas. Mas tem que ser um sentimento verdadeiro, uma vontade real, uma atitude orgânica, sabe aquela coisa que flui naturalmente? É isso. Fazer algo só porque os outros estão cobrando, ou só para aparentar ser “sustentavelzinho” não adianta nada. E a sustentabilidade representa um desafio mundial, pois ela deve ser economicamente viável, socialmente justa, culturalmente aceita e ecologicamente correta. Bonitas palavras, que na prática, dão um enorme trabalho para acontecer da forma certa. Temos um longo caminho pela frente e todos podem e precisam colaborar.

Lembra que eu disse que busquei a definição sobre sustentabilidade? Que tal se você fizer a mesma coisa? Dá uma olhada no significado da palavra SUSTENTAR, veja quantas definições aparecem no seu dicionário. E por que será que essa grande variação existe? E qual a importância da sustentabilidade pra nossa vida? Vale gastar um tempinho pra pensar nisso, refletir, viajar nas ideias, aproveitando para observar o mundo que está ao nosso redor.

Quando eu trabalho o tema “sustentabilidade” com a criançada, costumo dizer que “sustentabilidade é saber cuidar e saber usar”…, “saber usar e saber cuidar”…, “saber cuidar e saber usar”…

Fuçando na internet achei um blog que publicou frases de pessoas que responderam à pergunta “O que é sustentabilidade pra você?” e lá encontrei a melhor definição que já vi até hoje: “Sustentabilidade pra mim é construir sem destruir” (Edney Souza). Não sei quem é este cidadão, não o conheço, mas deixo aqui os meus parabéns pela sua resposta. Espero que ele busque sempre esta prática, e espero também que suas palavras sejam inspiradoras para que cada vez mais a sustentabilidade seja uma realidade, e que a vontade e a força pra isso esteja dentro de cada um de nós!

Ótimo final de semana pra todos!  Um abraço do Rex.
Livre Pensador, Cidadão Socioambiental, Andarilho, Biker e Terráqueo.

Cidadania S.A.

Rex
@cidadaniasa
Rex é um livre pensador a fim de trocar ideias sobre Cidadania Socioambiental. Atua em projetos socioambientais, ações de sensibilização, e atividades que buscam promover a conscientização das pessoas. É voluntário na área de Educação Ambiental do Instituto Jerivá. Colabora com projetos e iniciativas que contribuem para um mundo melhor. Participa como voluntário na Fundação SOS Mata Atlântica. É um andarilho que gosta de conhecer pessoas, lugares e realidades deste incrível planeta. É terráqueo. Seu principal veículo de transporte é a bicicleta. | www.caminhosdorex.com.br
  • Categorias