Os produtos orgânicos são a melhor forma de nos protegermos da exposição às toxinas encontradas nas práticas agrícolas convencionais. Os efeitos causados pela exposição a esses pesticidas, solventes e metais pesados, podem incluir alergias, malformações congênitas, câncer e distúrbios psicológicos. A ingestão destes produtos são cumulativos.

Em dois estudos distintos, o Conselho de Defesa de Recursos Naturais (E.U.A. – 1989) e o Grupo de Trabalho do Meio Ambiente (E.U.A. – 1998) concluíram que milhões de crianças americanas são expostas através da alimentação a níveis de pesticidas acima dos limites considerados seguros. Alguns desses produtos são reconhecidamente tóxicos para o cérebro em desenvolvimento. E durante o crescimento as crianças são mais vulneráveis aos efeitos cancerígenos desses pesticidas.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o relatório da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), divulgado em abril de 2008, documentou níveis alarmantes de agrotóxicos, incluindo substâncias já proibidas, em diversas frutas e vegetais cultivados no Brasil. Minimizar a exposição à essas substâncias tóxicas é uma atitude importante em termos de investimento em saúde. Mas isso não é tudo. Os cientistas estão agora comprovando que os alimentos orgânicos são mais nutritivos do que os alimentos cultivados de forma convencional. Uma revisão de 41 estudos, comparando os valores nutricionais de frutas, vegetais e grãos cultivados organicamente com os cultivados de forma convencional, demonstrou que os orgânicos possuem em média: 27% mais vitamina C, 21,1 % mais ferro, 29,3% mais magnésio e 13,6% mais fósforo.

Conclusão: os produtos orgânicos, além de serem muito melhores para o planeta, não possuem produtos tóxicos que se acumulam no organismo causando doenças fatais e outras crônicas e são mais nutritivos em relação à quantidade de vitaminas e minerais que possuem. Seria uma bobagem não aderir aos orgânicos, não acha?

Quer saber mais sobre alimentos e gastronomia?
Acesse o blog Informações à Mesa .