Um estudo do governo britânico defende a produção sustentável de mais alimentos para acabar com a fome no mundo, recomendando mudanças na agricultura. A investigação, que envolveu, durante dois anos, 400 peritos de 35 países, admite, neste contexto, o recurso à nanotecnologia, à clonagem e à tecnologia geneticamente modificada.

Segundo John Beddington, consultor científico do governo de Londres, temos 20 anos para produzir mais 40% de comida, mais 30% de água potável e mais 50% de energia para melhorar nosso futuro. Os autores do estudo reconhecem dificuldades, mas sugerem mecanismos que obriguem os governos e produtores de alimentos a prestarem contas sobre os progressos na redução da fome, no combate às alterações climáticas e no aumento da produção alimentar.

Além dos especialistas e estudiosos, nós temos nossa responsabilidade também em pequenas atitudes. Ao abrir uma torneira para lavar louça, lavar uma verdura ou simplesmente passar uma água naquela panela de pouco uso podemos estudar uma maneira mais razoável de viver em sociedade, com as pessoas, com os animais e com o meio ambiente. Pequenas atitudes, de todos, juntos se transformam em grandes atitudes para todos nós.